Diversidade religiosa por municípios…

Imagem em Destaque
Diversidade religiosa por municípios…

Em Portugal os dados dos Recenseamentos Gerais da População mostram que a distribuição das religiões não é equilibrada pelos diferentes municípios do país, verificando-se uma sobre representação da diversidade religiosa presente em Portugal nos municípios urbanos e do litoral do país. Entre os municípios que se destacam na distribuição de crentes de todas as religiões representadas no país estão: Lisboa e Sintra. Segundo os resultados do Censo de 2011, em Lisboa residem 16% dos crentes de outras religiões não cristãs, 15% dos muçulmanos do país, 12% dos judeus, 11% das pessoas sem religião, 7% dos crentes de outras religiões cristãs, 6% dos ortodoxos e 6% dos protestantes. Por sua vez em Sintra residiam 14% dos muçulmanos que responderam ao Censo em 2011, 7% dos protestantes, 6% dos ortodoxos, 3% dos católicos e 3% dos judeus residentes no país.

Se a análise da distribuição pelo território português for feita em função da religião, destacam-se outros municípios. Verifica-se que há municípios do país que, não fazendo parte do top 10 dos mais populosos em termos nacionais, ascendem a posições no top 10 de religiões específicas (e.g. Guimarães e Gondomar destacam-se no top 10 dos municípios com mais católicos, embora não estejam no top 10 dos municípios mais povoados do país). No caso dos católicos, correspondendo à religião maioritária (88% dos inquiridos do Censo de 2011 que responderam à questão reportaram ter esta religião), verifica-se que a religião está representada em todo o país, tendo o município com mais católicos apenas 4% desse universo (caso de Lisboa). Os ortodoxos e os protestantes, embora não estejam representados em todos os municípios do país, apresentam também uma distribuição mais diluída no país, surgindo para ambos os casos o município de Sintra como o que reúne mais crentes dessas religiões (6% e 7%, respetivamente), seguido de Lisboa (com 6% de ambos os universos de religiosos) e Cascais (com 4% de ambos os universos de religiosos). No caso dos ortodoxos surgem ainda municípios da região do Algarve no top 10 dos municípios com mais crentes: 4% dos ortodoxos residem em Loulé, seguido de Portimão (3,6%), Albufeira (3%) e Faro (2,6%).

Em contraste, é a religião muçulmana a que se encontra menos dispersa pelo país: os muçulmanos destacam-se essencialmente nos municípios da Área Metropolitana de Lisboa, com Lisboa e Sintra a concentrarem no seu conjunto 29% do total de muçulmanos residentes no país, seguidos dos municípios da Amadora (9%), Odivelas (9%), Loures (5%), Seixal (4%) e Almada (3%), assumindo ainda o Porto 4% desse universo. De forma semelhante, os inquiridos que declararam outras religiões não cristãs encontram-se mais representados na Área Metropolitana de Lisboa: os três municípios com mais crentes de religiões não cristãs reúnem 27% desse universo (Lisboa com 16%, Loures com 6% e Sintra com 5%). O mesmo se verifica no caso dos judeus, sobre representados no município de Lisboa (12%) e Cascais (5%), mas com outros municípios do país também a surgir com importância relativa (Silves com 4% dos judeus do país, Abrantes com 4%, Sintra, Porto e Lagoa com 3%, e Oeiras e Vila Nova de Gaia com 2%).

Para além de considerar-se a distribuição dos fiéis das diferentes religiões pelos municípios do país, deve atender-se ainda aos impactos relativos que pode assumir cada religião nos vários municípios atendendo ao total de residentes no município. Um exemplo ilustrativo é o caso de Belmonte: este município tem em números absolutos menos judeus do que os municípios de Cascais ou de Lisboa, mas em nenhum outro município os judeus representam uma parcela tão relevante da população como em Belmonte (1%), quando em todos os outros municípios a importância relativa de judeus não vai além dos 0,5%.

Verifica-se em Portugal que a generalidade dos municípios tem uma quase exclusividade religiosa. Em onze municípios do país os católicos representam 99% dos religiosos, sendo os restantes 1% de pessoas sem religião, e em quarenta e um municípios de Portugal a religião católica é a declarada por 98% dos residentes. Em cento e sessenta e seis municípios do país a religião católica é ainda a religião de entre 90% e 97% dos religiosos residentes. Assim, os dados censitários mostram que a maior hegemonia católica, de cerca de 99% em termos de respostas válidas à pergunta sobre religião, é encontrada na Madeira (e.g. Nordeste e Vila Franca do Campo) e no interior norte (e.g. Celorico de Basto, Resende). Por contraste, as pessoas sem religião atingem o seu valor máximo (com valores acima dos 20% da população residente no município e que respondeu à questão), em municípios do sul do país, nomeadamente em Grândola, Sines, Aljustrel e Aljezur.

Sendo, consequentemente, muito diminuto o impacto das restantes religiões presentes no país nos diferentes municípios, é ainda assim possível verificar que algumas religiões conseguem assumir em alguns municípios maior importância relativa no universo global de religiosos residentes no município. Se não se considerar as pessoas sem religião, mas apenas os respondentes que declararam ter uma religião, verifica-se que há municípios onde as ‘religiões minoritárias’ (ver mapa) - ou seja, qualquer religião identificada e diferente da religião católica (que é em Portugal a que concentra a maioria dos religiosos) – assumem uma importância relativa que chega ao seu valor máximo no município de Lagos (18% dos religiosos desse município têm uma religião minoritária). Seguem-se outros municípios algarvios onde os crentes de religiões minoritárias assumem importâncias relativas superiores aos 10%: caso de Albufeira (16%), Aljezur (14%), Portimão (14%), São Brás de Alportel (12%), Loulé (12%), Silves (11%), Faro (11%) e Olhão (11%). Na Área Metropolitana de Lisboa destacam-se os municípios de Odivelas, Loures e Sintra, onde em cada um desses municípios 10% das pessoas residentes com religião são de uma religião diferente da católica.

No que concerne os ortodoxos, os maiores impactos no total de religiosos de cada município (na ordem dos 4 a 5%), são também encontrados no Algarve (e.g. Albufeira, Portimão, Lagos e Loulé), verificando-se tendências semelhantes no caso dos protestantes (e.g. Lagos, Aljezur e Vila do Bispo) e das pessoas de outras religiões cristãs (e.g. São Brás de Alportel e Albufeira). Já os muçulmanos assumem mais importância relativa no total de religiosos residentes em cada município apenas em municípios da periferia de Lisboa (e.g. Odivelas, Amadora e Sintra), mas nunca com valores superiores a 1% (com a única exceção para o município de Odivelas que chega aos 2%). As pessoas de outras religiões não cristãs apenas atingem 1% da população total residente no município em Lisboa e Loures.