“Mulheres, Imigrantes e Acadêmicas: Teorias da Interseccionalidade para Pensar a Mobilidade Científica”

Autor(es):
Thais França

Publicação:
Tomo, 26, 2016

Resumo:
Pode-se definir a mobilidade científica como o deslocamento geográfico de curta ou larga duração de acadêmicos/as ecientistas por instituições internacionais como objetivo de desempenhar atividade de pesquisa ou docência,inserido em algum programa formalou realizado de maneira independente. A partir de uma análise crítica do fenômeno é possível questionar as dinâmicas de poder que afetam de maneira desigual alguns grupos. Como escopo de contribuir para a democratização da ciência, esteartigo, pautado nas teorias da interseccionalidade, questiona como marcadores de diferenças (gênero, raça e classe) moldama experiência de acadêmicas e cientistas mulheres. Metodologicamente, recorre a uma análise aprofundada da narrativa de duas acadêmicas não portuguesas que realizam suas atividades em Portugal.

Este artigo encontra-se aqui em acesso livre.