3. Português e Diversidade Linguística nas Coleções do Observatório das Migrações

Imagem em Destaque
3. Português e Diversidade Linguística nas Coleções do Observatório das Migrações

O Observatório tem vindo, desde a sua génese em 2002, a contribuir para aprofundar o conhecimento da diversidade linguística em Portugal e da relação entre a aprendizagem do português e a integração dos imigrantes, através da publicação de alguns estudos e da sistematização e análise de dados estatísticos e administrativos que aqui se recorda:

 

COLEÇÃO ESTUDOS


Diversidade linguística no sistema educativo português: Necessidades e práticas pedagógicas nos Ensino Básico e Secundário, de Maria Vieira da Silva e Carolina Gonçalves, Estudo OM 46, abril de 2011: Este trabalho desenvolvido em escolas públicas da região da Grande Lisboa, mais concretamente no 3º ciclo do ensino básico e no ensino secundário, articulou-se segundo dois objetivos principais: por um lado, conhecer e categorizar a diversidade linguística existente no sistema educativo português através do levantamento das principais dificuldades de aprendizagem sentidas pelos alunos cuja língua materna não é o português. Por outro, averiguou quais as estratégias e atividades pedagógicas que são promovidas pelos professores, em sala de aula, no ensino e na aprendizagem da língua do país de acolhimento. Este estudo fundamentou-se em questionários aplicados a uma amostra de mais de 800 alunos e 32 professores, identificando-se, ao nível dos resultados, diferenças significativas na perceção da dificuldade de aquisição de conhecimentos entre os alunos com ascendência em países de língua oficial portuguesa e os restantes elementos da amostra. A repercussão do domínio do português noutras disciplinas do currículo é reconhecida pelos professores mas desvalorizada pelos alunos, levando as autoras a recomendar uma maior articulação entre todos os docentes no sentido de sublinhar a importância basilar do ensino da língua portuguesa para todo o contexto escolar. Consulte aqui este estudo.

 

COLEÇÃO TESES


Para falar com as pessoas: Uma análise contextual de apropriações diferenciadas da língua portuguesa por sujeitos migrantes, de Cristina Sá Valentim, Teses OM 40, dezembro de 2012: Neste estudo, que resulta de uma tese de Mestrado em Antropologia Social e Cultural desenvolvida na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, é explorada a aprendizagem da língua portuguesa como um veículo eficaz no processo de integração de imigrantes. A autora recorre a uma abordagem contextual assente em narrativas de vida de dois sujeitos imigrados, um de origem marroquina e outro de origem romena, e mostra como a reaprendizagem de novos capitais culturais como a língua do país de acolhimento requer um trabalho de negociação perante novas situações interativas habitadas por relações de poder desiguais. O trabalho integra material recolhido em vários terrenos etnográficos, incluindo as aulas de Português para estrangeiros do Projeto de Apoio ao Imigrante da Paróquia de São José, na cidade de Coimbra, e os contextos familiares e laborais dos dois imigrantes, com uma análise das políticas de integração de imigrantes em Portugal e do papel que o ensino da língua portuguesa a estrangeiros tem desempenhado nas mesmas. A autora conclui que a aprendizagem da língua portuguesa “implica também um processo de relocalização de significados, traduzindo não só uma adaptação e reprodução social como também uma ação reflexiva, estratégica, empoderadora e transformativa dos indivíduos que, enquanto sujeitos agentes, recriam a sua realidade subjetiva e atuam sobre a realidade envolvente”. Consulte aqui este estudo.

 


Discussão sobre o estatuto da língua portuguesa em imigrantes dos PALOP em contexto de reconhecimento, validação e certificação de competências, de Carmen Godinho, Teses OM 37, dezembro de 2011: Esta dissertação de Mestrado em Ensino de Português Língua Segunda e Língua Estrangeira pretende contribuir para a descrição do estatuto da língua portuguesa em processos de reconhecimento de competências em imigrantes oriundos dos PALOP. A génese deste trabalho prende-se com o reconhecimento das dificuldades na expressão escrita e oral do português europeu manifestadas por esta população aquando do alargamento, em 2006, da rede de centros de reconhecimento, validação e certificação de competências a escolas e centros de formação profissional em todo o país. O estudo encontra-se estruturado em duas secções, sendo na primeira desenvolvido um enquadramento teórico dos conceitos de linguagem e comunicação como áreas essenciais de competência num processo de reconhecimento e o estatuto da língua portuguesa nos imigrantes que atravessam esse processo; e na segunda apresentado um estudo empírico alicerçado em questionários aplicados a 31 imigrantes dos PALOP e entrevistas a 4 formadores dos centros de reconhecimento da Área Metropolitana de Lisboa. Na conclusão, a autora apresenta diversas sugestões de boas práticas que incluem, por exemplo, o reconhecimento do estatuto de língua não materna como parte integrante das realizações linguísticas destes candidatos e a implementação de ações de formação especificamente adaptadas às necessidades destes imigrantes. Consulte aqui este estudo.

 

REVISTA MIGRAÇÕES


Migrações #11, Artigo “Decoding behaviour and phonetic constraints in second language learners: new insight for the structuralism perspective”, Sandra Figueiredo, pp. 213-230: Neste artigo, a autora apresenta um instrumento eletrónico para avaliar os comportamentos verbais ao nível da consciência fonológica e das competências linguísticas específicas de aprendentes de Segunda Língua. Trata-se de uma bateria de testes que permite mapear e caracterizar diferenças fonológicas entre alunos estrangeiros de Português como Língua Segunda, tendo assim uma potencial função de diagnóstico no atual contexto educativo e multicultural. A aplicação deste teste permite a construção de um perfil verbal (oral e escrito) que pode contribuir para o desenvolvimento de atividades pedagógicas capazes de promover um progresso escolar bem-sucedido nesta população. Consulte aqui este artigo.

 

COLEÇÃO PORTUGAL IMIGRANTE


“Diagnóstico da situação da população imigrante em Portugal: características, problemas e potencialidades”, Jorge Malheiros e Alina Esteves (coord.), Cap. 7.1 “Diversidade Religiosa e Linguística - Expressões Culturais Associadas à Presença Imigrante”, pp. 161-170: Este capítulo realça que os imigrantes não comunitários utilizam a língua portuguesa no contexto de movimentos culturais complementares. Por um lado, processos de reprodução e manutenção identitária e, por outro, mecanismos sincréticos que resultam na mobilização da língua mãe e da língua do país de acolhimento. A observação permite sustentar que os grupos de imigrantes culturalmente mais distantes, com idiomas mais distintos do Português e presença mais recente no país, tendem a utilizar de modo dominante a sua língua de origem no espaço doméstico. Todavia, os grupos que possuem ligações históricas e culturais com Portugal, falam idiomas mais próximos do Português e têm presença mais antiga no país, combinam mais o uso da língua materna e do Português no espaço doméstico. O texto analisa a importância que os cursos de língua portuguesa têm como forma de colmatar défices específicos possuídos por todos os imigrantes não lusófonos, desenvolvendo o impacto nestas populações dos programas Portugal Acolhe e Português para Todos (PPT). Aceda aqui a este estudo.


 

COLEÇÃO IMIGRAÇÃO EM NÚMEROS


Monitorizar a integração de Imigrantes em Portugal, Catarina Reis de Oliveira (coord.) e Natália Gomes, Relatório Estatístico Decenal, Coleção Imigração em Números do OM, dezembro de 2014; Cap. 7. “Aprendizagem da Língua Portuguesa”, pp. 153-162: Neste Relatório Estatístico Decenal, as autoras sistematizam e analisam dados estatísticos e administrativos para o período de 2001 a 2012, integrando um capítulo específico sobre os resultados de dois programas promovidos pelo Estado português de promoção e aprendizagem da língua portuguesa por estrangeiros e descendentes de imigrantes. Em primeiro lugar, são analisados os resultados da disciplina de Português como Língua não Materna (PLNM) que dá resposta aos desafios inerentes à integração no sistema escolar obrigatório e procura ir ao encontro das necessidades dos alunos que não têm o português como língua materna. Em segundo lugar, analisam-se os resultados programa nacional Português para Todos (PPT) que é dirigido à população adulta, procurando estimular globalmente a aprendizagem do português aos níveis básico e técnico. Entre as conclusões desta análise destaca-se o crescimento, durante o período em análise, do número de nacionais de países africanos que procuram a disciplina de PLNM, que é, em termos relativos, apenas suplantado pelo crescimento dos alunos asiáticos inscritos neste programa. Relativamente à iniciativa PPT, que teve início em 2008, realça-se, por exemplo, o aumento do seu universo de beneficiários, o que surge, em especial nos últimos anos, em contraciclo com a tendência de retração observada nos fluxos imigratórios para Portugal. Aceda aqui ao Relatório Estatístico Decenal.

 


Indicadores de Integração de Imigrantes, Catarina Reis Oliveira (coord.) e Natália Gomes, Relatório Estatístico anual 2016, Coleção Imigração em Números do OM, outubro de 2016; Cap. 4. “Aprendizagem da Língua Portuguesa”, pp. 77-86: As autoras para além de atualizarem nesta publicação o Relatório Estatístico Decenal para os anos de referência de 2013 e 2014, com os resultados da disciplina de Português como Língua não Materna (PLNM) e do programa nacional Português para Todos (PPT), integram um novo subcapítulo acerca da divulgação, promoção e ensino da língua portuguesa no mundo como “língua de herança”, “língua segunda” e “português como língua estrangeira”, da Rede de Ensino do Português no Estrangeiro promovida pelo Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP. O relatório evidencia o aumento do universo de beneficiários dos três programas de ensino da língua portuguesa, promovendo-se a aprendizagem do português em Portugal a cerca de 70 nacionalidades diferentes e no mundo a oferta chega a 82 países diferentes. Aceda aqui ao Relatório Estatístico Anual.

 


“Os Imigrantes Querem Aprender a Língua Portuguesa?”, pp. 36-37: A publicação Estatísticas de Bolso sintetiza os principais dados e conclusões do Relatório Estatístico Decenal, atualizando os dados para o período de 2001 a 2013, apresentando-os numa linguagem mais intuitiva, acessível e dirigida ao grande público. Nela se salienta o aumento da oferta de cursos de língua portuguesa para estrangeiros, bem como o aumento da procura e do número de beneficiários da disciplina de PLNM e do PPT nos últimos anos. Aceda aqui à edição de sensibilização estatística do OM.

 


Posters Estatísticos OM - Aprendizagem da Língua Portuguesa por Estrangeiros: O poster estatístico produzido pela equipa do OM relativo à Aprendizagem de Língua Portuguesa por Estrangeiros apresenta de forma gráfica, acessível e sucinta uma análise dos dados mais relevantes sobre o desempenho da disciplina de PLNM, do PPT e da Rede de Ensino de Português no Estrangeiro, com especial incidência no período 2013-2015. Aceda aqui a este e a outros posters de sensibilização estatística do OM.

 

 

Continue a acompanhar estas e outras publicações do Observatório disponíveis para consulta e download gratuito em http://www.om.acm.gov.pt/publicacoes-om.