Sinistralidade laboral por atividade económica

Imagem em Destaque
Sinistralidade laboral por atividade económica


 

Verifica-se que a taxa de incidência de acidentes de trabalho é um indicador muito sensível à diferente distribuição dos trabalhadores por atividades económicas que se verifica de país para país. Num país em que os trabalhadores desempenhem sobretudo atividades económicas onde o risco de acidentes mortais é maior, será de esperar encontrar uma taxa de incidência de acidentes mortais superior. Inversamente, se os trabalhadores se concentrarem sobretudo em atividades económicas relativamente seguras, a taxa de incidência de acidentes mortais do país será menor. É, pois, possível que dois países tenham resultados diferentes apenas por terem uma estrutura de mercado de trabalho diversa e/ou os trabalhadores integrarem predominantemente diferentes atividades económicas. Nesse sentido, o Eurostat padronizou estas taxas de incidência de modo a controlar a distorção entre países.
 

 

A Nomenclatura Estatística das Atividades Económicas da União Europeia (NACE) permite decompor a incidência de acidentes não mortais por 100.000 trabalhadores por sector de atividade económica. Comparando a incidência de acidentes de trabalho por atividade para Portugal e para o conjunto da UE28 evidenciam-se várias diferenças. Em 2014 a sinistralidade laboral em Portugal estava essencialmente associada às atividades de construção, enquanto ao nível europeu essa atividade ocupava o terceiro lugar no grupo de atividades económicas mais geradoras de acidentes de trabalho. Há outras diferenças grandes nas indústrias extrativas, que são a terceira categoria com maior incidência de acidentes de trabalho em Portugal e apenas a oitava a nível da UE28.