Escola de Verão: “Migrants and Refugees at the Crossroads of the EU Crisis: Managing (Ir)reconcilable Practices?”


“Immigrant Incorporation in Political Parties: Exploring the diversity gap”


Chamada para Comunicações: Workshop “Migrants’ and Diaspora Responses to the Rise of Right-Wing Populism”


"Migrações Portugal/Brasil e reconhecimento de estudos: trajetórias de vida de imigrantes"

Autor(es):
Alboni Pianovski Vieira

Publicação:
Diálogo Educacional, 17 (51), 2017

Resumo:
Em todos os tempos, por diversas razões, os homens saíram de sua terra de origem, sozinhos ou em grupos, buscando novos desafios e oportunidades. Na formação do Brasil, foi decisiva a vinda de portugueses e africanos que, unindo-se aos indígenas e a gentes de várias regiões do mundo, contribuíram para a constituição da nação brasileira. Sabe-se que a imigração portuguesa foi uma constante na história do Brasil. Na segunda metade do século XX, apesar do declínio no processo migratório, ainda havia portugueses vindo ao Brasil e se instalando, dentre outros lugares, em Curitiba. O que esperavam encontrar e o que encontravam na terra escolhida? Alguns deles esperavam poder continuar a estudar no Brasil, mas os estudos realizados em Portugal não eram considerados. Isso dificultava e, não raro, impedia a continuidade na formação. Partindo desses pressupostos, a pesquisa tem por objetivo discutir a questão do reconhecimento, no Brasil, da escolaridade adquirida em Portugal, pelos imigrantes portugueses vindos a Curitiba na segunda metade do século XX. Para reconstruir o período, a metodologia empregada foi a história oral, na modalidade história de vida, numa perspectiva interdisciplinar. Colaboraram com as entrevistas imigrantes portugueses radicados em Curitiba. Discutidos e interpretados os dados coletados, os resultados evidenciaram não só as dificuldades enfrentadas pelos estrangeiros quanto ao reconhecimento dos estudos realizados fora do país, como também as alternativas buscadas por eles para superar essa dificuldade.

Este artigo encontra-se aqui em acesso livre.


"Association between length of residence and overweight among adult immigrants in Portugal: A nationwide cross-sectional study"

Autor(es):
Liliane Peralta da Costa, Sónia Ferreira Dias, Maria do Rosário Oliveira Martins

Publicação:
BMC Public Health, 17:316, 2017

Resumo:
Background - Despite the importance of immigrant population in Portugal few studies have analyzed the patterns of overweight/obesity in this subpopulation. The aims of this study are: (i) describe and compare the prevalence of overweight between immigrants and natives in Portugal; (ii) analyze the association between length of residence and overweight among adult immigrants in Portugal.
Methods - A cross-sectional study (2005–2006) in a representative sample of the Portuguese population from national territory, including the Autonomous Regions of Azores and Madeira. The final sample comprised 31,685 adult participants (≥19 years old), of whom 4.6% were immigrants. Country of birth was used to determine immigrant condition. Logistic regressions were conducted to investigate the association between overweight (dependent variable) and length of residence (exposure), adjusting for all covariates in the study. A 5% confidence level and 95% CI were considered.
Results - The percentage of immigrants that are overweight [44.9% (95% CI: 42.3; 47.5)] was lower than for natives [52.8% (95% CI: 52.2; 53.4)]. The migrant condition, after adjusted for sociodemographic variables, was not associated with overweight [OR 1.004 (95% CI: 0.998; 1.010)]. Among immigrants, being women [OR 0.585 (95% CI: 0.583; 0.587)], not married [OR 0.784 (95% CI: 0.781; 0.787)] and with a higher education [OR 0.481 (95% CI: 0.478; 0.483)], are probably protective factors of being overweight. Adjusting for other factors, the odds of being overweight for a long-term immigrant (≥15 years) was 1.3 times higher [OR 1.274 (95% CI: 1.250; 1.299)] than for the newcomers (<4 years).
Conclusions - The prevalence of overweight was higher for natives than immigrants. Length of residence (≥15 years) was positively associated with prevalence of overweight, among adult immigrant population. In the future, understanding dietary patterns and acculturation process may be important for health immigrant studies.

Este artigo encontra-se aqui em acesso livre.


Concurso: 3 Vagas para Investigador em projetos do Migration Policy Centre (European University Institute)


"Interest groups and strategic constructivism: business actors and border security policies in the European Union"

Autor(es):
Theodore Baird

Publicação:
Journal of Ethnic and Migration Studies, advance article, 2017

Resumo:
Evidence suggests that business lobbying shapes European Union (EU) border security policies, but there has been no detailed empirical and theoretical work detailing how interest groups exert influence in this domain. Building on strategic constructivist accounts of policy-making, the article argues that EU border security policies have been tailored to the preferences, identities, and frames of business actors through three key processes. Policy preferences are co-constituted by business actors through strategic communication, identities are constructed to gain political legitimacy through strategic legitimation, and social contexts are framed to fit business interests through practices of strategic contextualisation. I use evidence from in-depth interviews with key actors in the field of EU border security policy-making, participant observation at key border security events, and analysis of key policy documents to build the argument.

Este artigo encontra-se aqui em acesso livre.


"Challenges in the management of Chagas disease in Latin-American migrants in Europe"

Autor(es):
B. Monge-Maillo, R. López-Vélez

Publicação:
Clinical Microbiology and Infection, advance article, 2017

Resumo:
Chagas disease is endemic in Latin America. Due to migration the infection has crossed borders and it is estimated that 68,000–120,000 people with Chagas disease are currently living in Europe and 30% of them may develop visceral involvement. However, up to 90% of Chagas disease cases in Europe remain undiagnosed. The challenges which have to be overcome in Chagas disease in non-endemic countries are focused on related downing barriers to health care access, and related to screening, diagnostic tools and therapeutic management. The aim of this review is to highlight how healthcare management for Latin American migrants with Chagas disease in Europe may be improved. Medical literature was searched using PubMed. No limits were placed with respect to the language or date of publication although most of the articles selected were articles published in the last five years. Chosen search terms were “Chagas disease” AND (“migrants” OR “screening” OR “transmission” OR “treatment”; OR “knowledge” OR “non-endemic countries”); migrants AND (“Public health” OR “Health Service Accessibility” OR “Delivery of Health care”); and “Congenital Chagas disease”. Healthcare management of migrant populations with Chagas disease in Europe has to be improved: -Surveillance programmes are needed to measure the burden of the disease; -screening programmes are needed; -administrative and cultural barriers in the access to health care for migrants should be reduced; -education programmes on Chagas disease should be performed -research on new diagnostic tools and therapeutic options are required. This review highlights the needs of profound changes in the health care of Latin American migrants with Chagas disease in Europe.

Este artigo encontra-se aqui em acesso livre.


"Influence of an Education Abroad Program on the Intercultural Sensitivity of STEM Undergraduates: A Mixed Methods Study"

Autor(es):
Chrysanthe Demetry, Richard F. Vaz

Publicação:
Advances in Engineering Education, 6 (1), 2017

Resumo:
Education abroad programs are becoming more common as a mechanism for developing the global competencies of engineering graduates. An increasing body of research shows that intercultural learning does not occur de facto in such programs. This study used quantitative and qualitative methods to explore changes in students’ intercultural sensitivity over the course of a project-based education abroad experience in Thailand that was designed with proactive interventions to foster intercultural learning. In addition, we aimed to compare the intercultural development of students in U.S.-only project teams with those who were in cross-national teams with students from a partner university. Although the study group as a whole did not show a statistically significant gain in a quantitative measure of intercultural sensitivity, greater gains were seen from students in crossnational teams. A few qualitative results suggest learning that was not evident from quantitative measures. Overall, this study reinforces the challenges of facilitating and assessing intercultural learning during education abroad.

Este artigo encontra-se aqui em acesso livre.


"A educação intercultural e os desafios para a escola e para o professor"

Autor(es):
Vanilda Alves da Silva, Flavinês Rebolo

Publicação:
Interações, 18 (1), 2017

Resumo:
O artigo discute os desafios enfrentados pelos professores frente às diferenças culturais que permeiam a escola contemporânea. Realizado a partir de uma revisão bibliográfica, traz as principais dificuldades para a escola e para o professor quando se busca uma educação pautada em princípios de igualdade e respeito pelo diferente, que caminhe na perspectiva do diálogo e que considere o 'outro' relevante.

Este artigo encontra-se aqui em acesso livre.


"Processos migratórios e deslocamentos: caminhos que levaram atletas de modalidades coletivas aos Jogos Olímpicos de Barcelona em 1992"

Autor(es):
Kátia Rubio

Publicação:
Olimpianos – Journal of Olympic Studies, 1 (1), 2017

Resumo:
Diferenças regionais e desigualdades marcam a história brasileira. Essas são algumas das razões que provocaram movimentos migratórios, em um primeiro momento deslocando populações do meio rural para as cidades e já no final do século XX de diferentes cidades para outras regiões e mesmo outros países. A  falta de  recursos e  de oportunidades  profissionais também  é vivida  por atletas  que partem  de suas cidades e vilas em busca de times e clubes onde possam experimentar desenvolvimento que os levem a ser atletas destacados em suas modalidades com o objetivo de ser olímpicos. A  lógica de clubes esportivos aristocráticos ou de características coloniais como celeiros  de atletas olímpicos se mantém, ao longo do Século XX, até que o esporte se torna objetivo de políticas públicas. Ainda assim, as cidades com maior organização esportiva permaneceram como destino de atletas habilidosos de todo a país, provocando um fluxo migratório que se pretende explorar nesse artigo, cujo objetivo é identificar a origem e o destino dos atletas de modalidades coletivas a migrarem na década de 1990, momento em que se deu o processo de profissionalização dos atletas brasileiros.

Este artigo encontra-se aqui em acesso livre.


Conferência Europeia sobre Prevenção de Acidentes e Promoção da Segurança: “Safety Promotion in Action”


Seminário: “Diversidades, Migraciones y Minorias: Perspectivas comparadas entre América Latina y Europa”


Destaques Estatísticos

Destaque estatistico OM - Trabalhadores Imigrantes e Segurança no Trabalho.pdf

Acidentes laborais de estrangeiros por atividade em Portugal

Imagem em Destaque
Acidentes laborais de estrangeiros por atividade em Portugal


À semelhança do que sucede noutros países, em Portugal observa-se que os trabalhadores estrangeiros estão sobre representados nas atividades económicas de maior risco de acidentes de trabalho (e.g. construção e indústrias transformadoras), verificando-se que a exposição à sinistralidade laboral não é explicada pela condição de imigrante ou a nacionalidade do trabalhador, mas pela sua associação aos trabalhos mais exigentes, perigosos e sujos do mercado de trabalho (Oliveira e Pires (2010: 51-55). Por outro lado, estão também associadas aos trabalhadores imigrantes outras características que propiciam a sua maior exposição aos riscos de acidentes de trabalho - e.g. disponibilidade para trabalhar mais horas; aceitarem trabalhos mais precários, arriscados e mal remunerados (Oliveira e Pires: 2010: 21-22).
 


Em 2008, os trabalhadores estrangeiros estavam concentrados na construção (22,2%) e nas atividades administrativas e dos serviços de apoio (20,0%) - que inclui muitas atividades diferentes, nomeadamente da construção e da limpeza industrial -, enquanto os trabalhadores portugueses concentravam-se mais nas atividades económicas da indústria transformadora (23,2%) e do comércio (19,3%). Nos últimos anos, a análise da distribuição dos trabalhadores pelas atividades económicas evidencia os efeitos da crise económica, nomeadamente com a quebra na construção (Oliveira e Gomes, 2016: 91-92). Em 2014, por comparação a 2008, observa-se uma diversificação na distribuição dos trabalhadores estrangeiros pelas atividades económicas, assumindo a construção as maiores perdas de trabalhadores – as atividades da construção perdem dois terços dos trabalhadores por conta de outrem estrangeiros (eram 37.769, em 2008, e passaram a 9.411, em 2011). Com mais trabalhadores estrangeiros continuaram, em 2014, a destacar-se as atividades administrativas e dos serviços de apoio (19,3%), aumentando também a sua importância relativa noutras atividades, como o alojamento e restauração (19,3%, traduzindo mais 2,5 pontos percentuais que em 2008) e o comércio (14%, mais 2,4 pontos percentuais que em 2008). No que respeita aos trabalhadores portugueses, em 2014 estes continuavam a concentrar-se nas atividades da indústria transformadora (22,9%) e do comércio (19,1%).

Ora, mantendo a tendência de anos anteriores, em 2014 as atividades que registaram maior número (absoluto) de acidentes de trabalho (mortais e não mortais) foram da indústria transformadora, da construção e do comércio. Os acidentes de trabalho nessas atividades económicas representaram no seu conjunto 56% (o equivalente a 109.940 acidentes laborais) da sinistralidade laboral dos trabalhadores portugueses (26,8%, 13,5% e 15,5%, respetivamente) e 46% (o correspondente a 2.681 acidentes) no caso dos trabalhadores estrangeiros (22,2%, 12,4% e 11,6%, respetivamente). Relativamente aos trabalhadores estrangeiros observa-se ainda que as atividades do alojamento e restauração e atividades administrativas e dos serviços de apoio (que inclui muitas atividades diferentes, nomeadamente da construção e da limpeza industrial) registaram 22% (11% cada) no total de acidentes de trabalho, refletindo o aumento de trabalhadores estrangeiros nestas atividades (por compensação das quebras de importância relativa na construção, conforme mostrado por Oliveira e Gomes, 2016). Já no caso dos trabalhadores portugueses destaca-se ainda a sinistralidade laboral nas atividades de saúde humana e apoio social (8% do total de acidentes de trabalhadores portugueses) e nas atividades administrativas e dos serviços de apoio (7%), refletindo uma maior concentração dos trabalhadores portugueses nessas atividades (em 2014, cerca de 18% dos trabalhadores portugueses estavam concentrados nessas duas últimas atividades).
 


Relativizando os acidentes de trabalho verificados em cada atividade económica em função do universo respetivo de trabalhadores de cada atividade, verifica-se, porém, que há outras atividades onde o impacto da sinistralidade laboral é maior no conjunto dos trabalhadores. O impacto da sinistralidade laboral não mortal é relativizado por cada 100 trabalhadores, verificando-se em 2014 (mantendo a tendência de anos anteriores) que são nas atividades da agricultura, produção animal e pesca (17 acidentes de trabalho por cada 100 trabalhadores portugueses e 6 por cada 100 trabalhadores estrangeiros), da construção (15 acidentes laborais de portugueses e 8 de estrangeiros por cada 100 trabalhadores dessa nacionalidade na atividade) e da indústria transformadora (10 acidentes laborais de cidadãos portugueses e 11 de estrangeiros por cada 100 trabalhadores desse sector) que se verificam mais acidentes por total de trabalhadores de cada atividade.
 


Quanto aos acidentes de trabalho mortais, dados da mesma fonte (Gabinete de Estratégia e Planeamento - GEP/MTSSS) para 2014, relativizados neste caso por cada 100.000 trabalhadores, dão conta do impacto da sinistralidade mortal ser maior nas atividades da agricultura, produção animal e pesca (46 acidentes de trabalho mortais de portugueses e 42 de trabalhadores estrangeiros por cada 100.000 trabalhadores da atividade), da construção (24 acidentes mortais nos trabalhadores portugueses e 11 nos trabalhadores estrangeiros por cada 100.000 trabalhadores do sector), dos transportes e armazenagem (15 acidentes mortais nos trabalhadores portugueses por cada 100.000 trabalhadores do sector), da indústria transformadora (4 acidentes mortais nos trabalhadores portugueses e 9 nos trabalhadores estrangeiros por cada 100.000 trabalhadores desse sector) e das atividades administrativas e dos serviços de apoio (5 acidentes mortais nos trabalhadores portugueses e 5 acidentes mortais nos trabalhadores estrangeiros por cada 100.000 trabalhadores desse sector).
 

 

 

Para mais detalhes acerca destes dados consultar a Coleção Imigração em Números deste Observatório, nomeadamente o Relatório Estatístico Anual de 2016 (Oliveira e Gomes, 2016), cap. 5.5, pp. 104-110, bem como no separador Estatísticas e Sensibilização, os Posters Estatísticos.

Também na área Compilações Estatísticas do OM do sitio do OM consultar dados estatísticos acerca da sinistralidade laboral.


Evolução da sinistralidade laboral em Portugal

Imagem em Destaque
Evolução da sinistralidade laboral em Portugal


Os dados do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) referentes à sinistralidade laboral dos estrangeiros, no seu todo (integrando acidentes de trabalho mortais e não mortais), refletem uma evolução decrescente face ao ano de 2008. Entre 2008 e 2014 verificou-se um decréscimo no número total de acidentes de trabalho que atingiu -52,6% no caso dos cidadãos estrangeiros (em 2008 tinham ocorrido 12.233 acidentes e em 2014 o número de acidentes de trabalhou baixou para 5.797). A mesma tendência de decréscimo face ao ano de 2008 é verificada nos trabalhadores de nacionalidade portuguesa, cuja sinistralidade laboral diminui 12,3% entre 2008 e 2014 (de 224.864 acidentes para 197.175). No entanto, verifica-se que o decréscimo da sinistralidade laboral é mais acentuado nos cidadãos estrangeiros, refletindo a diminuição global do número de trabalhadores estrangeiros por conta de outrem (que passaram de 170.086 em 2008 a 111.452 em 2014). Esta diminuição global do número de trabalhadores é, aliás, percetível quando se calculam taxas de incidência dos acidentes de trabalho por cada 100 trabalhadores estrangeiros. Neste caso, nota-se uma diminuição da taxa entre 2008 e 2014 (de 7,2 para 5,2 acidentes de trabalho por cada 100 trabalhadores), embora uma diminuição menos acentuada que o decréscimo verificado no número absoluto de acidentes de trabalho.
 


A tendência de decréscimo face ao ano de 2008 é mais acentuada no caso dos acidentes mortais (-53,8% nos estrangeiros e -29,4% nos portugueses) que no caso dos acidentes não mortais (-52,6% para os estrangeiros e -12,3% nos portugueses). A forte associação entre a sinistralidade laboral e as oscilações e dinamismo do mercado de trabalho poderá explicar esta diminuição no número de acidentes de trabalho em Portugal (conforme demonstrado por Oliveira e Pires, 2010: 44-46), sobretudo considerando as quebras de atividade verificadas nos últimos anos no sector da construção civil, sector com maior risco de ocorrência de acidentes de trabalho e com as mais altas taxas de mortalidade laboral. De notar que desde o início da crise económica o sector da construção civil registou perdas de trabalhadores bastante acentuadas. Conforme demonstram os dados dos Quadros de Pessoal, os trabalhadores estrangeiros do sector da construção civil passaram de 37.769 em 2008 para 9.411 em 2014 (este sector perdeu portanto 75% dos seus trabalhadores estrangeiros desde 2008), sucedendo o mesmo com os trabalhadores portugueses (o sector da construção civil perdeu 48% dos seus trabalhadores de nacionalidade portuguesa, passando de 326.252 trabalhadores em 2008 para 168.955 em 2014).
 

 

 

Para mais detalhes acerca destes dados consultar a Coleção Imigração em Números deste Observatório, nomeadamente o Relatório Estatístico Anual de 2016 (Oliveira e Gomes, 2016), cap. 5.5, pp. 104-110, bem como no separador Estatísticas e Sensibilização, os Posters Estatísticos.

Também na área Compilações Estatísticas do sítio do OM consultar dados estatísticos acerca da sinistralidade laboral.


Sinistralidade Laboral e Estrangeiros residentes na Europa

Imagem em Destaque
Sinistralidade Laboral e Estrangeiros residentes na Europa


Segundo dados disseminados pelo Eurostat quanto à incidência de acidentes de trabalho mortais verifica-se bastante variedade de situações na Europa. Os extremos são representados pela Holanda, em que a taxa de incidência de acidentes de trabalho mortais por 100.000 trabalhadores assume o valor mínimo de 0,6 e a Roménia, em que assume o valor máximo de 5,5. No grupo de países analisados, em 2014, Portugal assume o quinto lugar entre os países com maior taxa de incidência de sinistralidade laboral mortal, com o valor de 3,6 acidentes de trabalho mortais por 100.000 trabalhadores (menos 2 pontos percentuais que o país europeu com maior incidência de sinistralidade laboral). Entre Portugal e a Roménia encontram-se a Lituânia (4,7), a Letónia (4,5) e a Bulgária (4,5), que juntamente formam o conjunto de países com maior incidência de sinistralidade laboral.
 


Deve atender-se, porém, que não se verifica qualquer relação causal entre os fenómenos da imigração e da sinistralidade laboral. O aumento ou diminuição da imigração não influencia a respetiva evolução dos acidentes de trabalho nos países. Por outro lado, observa-se que não são os países com mais imigrantes que apresentam as mais altas taxas de sinistralidade laboral.

Recorrendo a dados de 2014 disseminados pelo Eurostat, comparando para cada país europeu a percentagem de residentes não nacionais com a taxa de incidência de acidentes laborais mortais verifica-se que não há qualquer relação entre os dois fenómenos. Há países com quase nula ou muito baixa percentagem de residentes não nacionais e altas taxas de sinistralidade laboral (e.g. Roménia, Bulgária, Lituânia, Portugal, Eslovénia), tal como há países com elevada percentagem de estrangeiros residentes e baixa ou moderada taxa de acidentes laborais mortais (e.g. Suíça, Luxemburgo, Bélgica, Alemanha, Reino Unido), ou ainda países com expressiva sinistralidade laboral e significativa percentagem de estrangeiros no total de residentes (e.g. Letónia, Áustria, Itália, Espanha) e países com baixa sinistralidade e baixa percentagem de não nacionais (e.g. Holanda).
 

 


Colóquio: “Impacto dos Movimentos Migratórios na Sociedade Portuguesa”


Acidentes de trabalho mortais PT vs UE28

Imagem em Destaque
Acidentes de trabalho mortais PT vs UE28


 

Os dados do Eurostat acerca da sinistralidade laboral, que incluem a Croácia desde 2010, permitem traçar tendências para a União Europeia a 28, integrando Portugal. A evolução da taxa de incidência de acidentes de trabalho mortais da UE28 é de decréscimo ao ritmo de cerca 0,08 acidentes de trabalho mortais por cada 100.000 trabalhadores ao ano. A tendência para Portugal tem o mesmo sentido mas é mais intensa, registando-se menos 0,20 acidentes de trabalho mortais por cada 100.000 trabalhadores a cada ano. Continuando ambas as séries a evoluir do modo observado, Portugal atingiria a média da UE28 depois de 2030. Nota-se, pois, que a distância entre a taxa de incidência de acidentes de trabalho mortais verificada em Portugal e a taxa de incidência na UE28 tem vindo a diminuir: a distância entre Portugal e a UE28 era de 2,86 pontos percentuais em 2008, passando para 1,75 pontos percentuais em 2014.
 


 

É de referir que, tal como está construído, este indicador é vulnerável a alterações conjunturais como, por exemplo, a queda do emprego em algumas atividades económicas, nomeadamente as de maior incidência de acidentes de trabalho em cada país. Como se tem vindo a explicitar na Coleção Imigração em Números deste Observatório (Oliveira e Gomes, 2014: 76-80 e Oliveira e Gomes, 2016: 104-110), a sinistralidade laboral mortal e não mortal tem vindo a diminuir em Portugal também por consequência das quebras de atividade e perda de trabalhadores verificadas nos últimos anos no sector da construção (sector com maior risco de ocorrência de acidentes de trabalho e com as mais altas taxas de mortalidade laboral em Portugal). Assim, deve atender-se que a diminuição da taxa de incidência de acidentes de trabalho mortais observada pode ser, em parte, circunstancial e inerente à conjuntura económica e não traduzir uma generalizada melhoria das condições de saúde e segurança no trabalho em Portugal.

No contexto do conjunto dos Estados-membros, a variação registada por Portugal entre 2008 e 2014 é bastante mediana (-32%, passando de 5,25 acidentes por 100 mil trabalhadores em 2008 para 3,56 acidentes em 2014), tendo as maiores diminuições da taxa de incidência de acidentes de trabalho mortais por 100.000 trabalhadores sido registadas na Bélgica (-65%, de 3,64 para 1,28 acidentes por 100 mil trabalhadores de 2008 para 2014) e na Grécia (-63%, de 2,15 para 0,79) e, no extremo oposto, o maior crescimento da taxa registado no Reino Unido (+47%, aumentando de 0,55 acidentes de trabalho mortais por 100 mil trabalhadores para 0,81 de 2008 para 2014) e na França (+73%, de 1,56 acidentes para 2,7).