Bibliografia sobre Migrações e Saúde

Imagem em Destaque
Bibliografia sobre Migrações e Saúde

A bibliografia que se segue, sem pretensão de exaustividade, ilustra bem como o tema das migrações e saúde tem sido analisado em Portugal e internacionalmente. Se conhecer outras referências relevantes, por favor não deixe de partilhá-las connosco através do email om@acm.gov.pt.

Artigos, capítulos de livros, comunicações e working papers

ALMEIDA, L., et al. (2013), ”Maternal healthcare in migrants: a systematic review”, Maternal and Child Health journal17(8), pp. 1346-1354.

ALUTTIS, C., BISHAW, T., e FRANK, M. W. (2014) “The workforce for health in a globalized context–global shortages and international migration”, Global Health Action, 7(1), 23611.

ARNAUT, A. (2015), “O Serviço Nacional de Saúde: Sonho e Realidade”, in Acta Médica Portuguesa, Revista Científica da Ordem dos Médicos, jan-fev, 28 (1), pp. 4-7.

BAGANHA, M. I., e RIBEIRO, J. S. (2007), “Imigração qualificada no sector da saúde – as oportunidades do mercado laboral português”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 53-78.

BAGANHA, M. I., RIBEIRO, J. S., e PIRES, S., (2002), “O Sector da Saúde em Portugal - Funcionamento do Sistema e Caracterização Sócio-Profissional”, Oficina do CES, 182.

BELL, D., et al. (2015), "Transnational healthcare, cross-border perspectives", Social Science & Medicine, 124, pp. 284-289.

BERK, M. L., e SCHUR, C. L. (2001), “The effect of fear on access to care among undocumented Latino immigrants”, Journal of Immigrant Health, 3(3), pp. 151-156.

CAIAZZO, A. et al. (2004), “Inequalities in health in Italy”, Epidemiol Prev., May-Jun, 28(3), pp. 1-16.

CARBALLO, M. (2009), “Communicable Diseases”, in FERNANDES, A. e MIGUEL, J.P. (eds) et al., Health an migration in European Union: better health for all in an inclusive society, Lisboa: Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, pp. 53-69.

CARBALLO, M.; DIVINO, J.; e ZERIC, D. (1998), “Migration and health in the European Union”, Tropical Medicine and International Health, 3(12), pp. 936-944.

CASTAÑEDA, H., et al. (2015), “Immigration as a social determinant of health”, Annual Review Of Public Health, 36, pp. 375-392.

CORREIA, T.; CARAPINHEIRO, G. e RAPOSO, H. (2018), “Desigualdades sociais na saúde. Um olhar comparativo e compreensivo”, in Carmo, R. M. et al. (orgs.), Desigualdades sociais. Portugal e a Europa, pp. 24-39.

DAVIES, A. A., BASTEN, A., e FRATTINI, C. (2009), “Migration: a social determinant of migrants’ health”, Eurohealth, 16(1), pp. 10-12.

DEVILLÉ, W., at al. (2011), “Health care for immigrants in Europe: is there still consensus among country experts about principles of good practice? A Delphi study”, BMC Public Health, 11: 699.

DIAS, S. et al. (2011), “Barreiras no acesso e utilização dos serviços de saúde pelos imigrantes. A perspetiva dos Profissionais de Saúde”, in Acta Médica Portuguesa, 24(4), pp. 511-516.

DIAS, S. et al. (2012), “Health workers’ attitudes toward immigrant patients: a cross-sectional survey in primary health care services”, in Human Resources for Health, pp. 10-14.

DIAS, S. et al. (2018a), “Health Policies, Patterns and Barriers to Migrants’ Access to Primary Health Care”, in Rosano, A. (eds.), Access to Primary Care and Preventative Health Services of Migrants, SpringerBriefs in Public Health book series, Springer: Cham, pp. 82-91.

DIAS, S. F., SEVERO, M., e BARROS, H. (2008), “Determinants of health care utilization by immigrants in Portugal”, BMC Health Services Research, 8: 207.

DIAS, S., e GONÇALVES, A. (2007), “Migração e saúde”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 16-26.

DIAS, S., GAMA, A., CORTES, M., e SOUSA, B. (2011), “Healthcare‐seeking patterns among immigrants in Portugal”, Health & Social Care in the Community, 19(5), pp. 514-521.

FINCH, B. K., e VEGA, W. A. (2003), “Acculturation stress, social support, and self-rated health among Latinos in California”, Journal of Immigrant Health, 5(3), pp. 109-117.

FLORES, G. (2006), “Language barriers to health care in the United States”, N Engl J Med, 355 (3), pp. 229-31.

FLORES, G.; OLSON, L.; TOMANY-KORMAN, S. (2005), “Racial and ethnic disparities in early childhood health and health care”, Pediatrics, 115(2), pp. 183-93.

FONSECA, M. L., et al. (2007), “Saúde e integração dos imigrantes em Portugal: uma perspectiva geográfica e política”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 27-52.

GOODRICH, J. N. (1993), “Socialist Cuba: A study of health tourism”, Journal of Travel Research, 32(1), pp. 36-41.

GUSHULAK, B. (2010), “Monitoring migrants’ health”, in Health of Migrants – the Way Forward. Report of a global consultation, Madrid, Spain, Geneva: World Health Organization, pp. 28-42.

HANEFELD, J., et al. (2014), “What do we know about medical tourism? A review of the literature with discussion of its implications for the UK National Health Service as an example of a public health care system”, Journal of Travel Medicine, 21(6), pp. 410-417.

HORTA, R., e CARVALHO, A. (2007). “O Gabinete de Saúde do Centro Nacional de Apoio ao Imigrante: uma estratégia de acesso dos imigrantes aos cuidados de saúde”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 179-186.

INE (2014), Projeções de população residente 2012-2060, Destaque INE, 28 de março de 2014.

INE (2017), Projeções de população residente 2015-2080, Destaque INE, 29 de março de 2017, Lisboa: Instituto Nacional de Estatística.

INGLEBY, D. (2012), “Ethnicity, migration and the ‘social determinants of health’ agenda”, Psychosocial Intervention, 21(3), pp. 331-341.

LECHNER, E. (2007), “Imigração e saúde mental”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 79-101.

LEGIDO-QUIGLEY, H. et al. (2016), “Effects of the financial crisis and Troika austerity measures on health and health care access in Portugal”, in Health Policy, pp. 833-839.

MACHADO, M. C.; PEREIRA, F. e MACHAQUEIRO, S. (2010), “Approaches to migrant health in Portugal”, in in Eurohealth, volume 16, number 1, pp. 30-31.

MACHADO, M. D. C., et al. (2007), “Cuidados de saúde materna e infantil a uma população de imigrantes”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 103-127.

MARMOT, M. (2005), “Social determinants of health inequalities”, in Public Health, vol. 365, março 19, pp. 1099-1104.

MASANET, E. (2010), “La migración cualificada de los profesionales de la salud en Portugal y España: una aproximación general”, OBETS. Revista de Ciencias Sociales, 5(2), pp. 243-267.

MASANET, E. (2017), “Processes and experiences of Portugal’s international recruitment scheme of Colombian physicians: Did it work?”, Health Policy, 121(8), pp. 929-935.

MLADOVSKY, P. (2007), “Migrant health in the EU”, Eurohealth, 13(1), pp. 9-11.

MLADOVSKY, P., et al. (2012), “Responding to diversity: an exploratory study of migrant health policies in Europe”, Health Policy, 105(1), pp. 1-9.

MONTEIRO, A. P. (2005), “Multiculturalismo e cuidados de enfermagem”, Pensar Enfermagem, 9(1), pp. 48-57.

MONTEIRO, A. P. (2006), “Imigração e Saúde – Imigrantes da Europa de Leste em Portugal”, Referência – Revista de Enfermagem, 2(2), pp. 9-20.

MONTEIRO, A. P. (2009), “Percepção de apoio social e saúde mental em contextos migratórios: imigrantes russófonos a residir em Portugal”, Referência – Revista de Enfermagem, 2(10), pp. 35-46.

MONTEIRO, A. P., e FERNANDES, A. B. (2016), “Cultural competence in mental health nursing: validity and internal consistency of the Portuguese version of the multicultural mental health awareness scale—MMHAS”, BMC Psychiatry, 16(1), 149.

MONTEIRO, A. P., e SERRA, A. V. (2011), “Vulnerability to stress in migratory contexts: a study with eastern European immigrants residing in Portugal”, Journal of Immigrant and Minority Health, 13(4), pp. 690-696.

NIELSEN, S. S., e KRASNIK, A. (2010), “Poorer self-perceived health among migrants and ethnic minorities versus the majority population in Europe: a systematic review”, International Journal of Public Health, 55(5), pp. 357-371.

NIELSEN, S.; KRASNIK, A. e ROSANO, A. (2009), “Registry data for cross-country comparisons of migrants’ healthcare utilization in the EU: a survey study of availability and content”, in BMC Health Services Research, 9: 210, pp. 1-12.

NORMAN, P., BOYLE, P., e REES, P. (2005), “Selective migration, health and deprivation: a longitudinal analysis”, Social Science & Medicine, 60(12), pp. 2755-2771.

NORREDAM, M., NIELSEN, S. S., e KRASNIK, A. (2009), “Migrants’ utilization of somatic healthcare services in Europe – a systematic review”, European Journal of Public Health, 20(5), pp. 555-563.

OCDE (2017), “Migrants´well-being: moving to a better life?”, in How´s Life? 2017: Measuring Well-Being, Paris: OECD Publishing.

OLIVEIRA, C. R. (2016), “O desenvolvimento de planos de ação para a integração de imigrantes: Portugal e Europa na última década”, in Revista Migrações do Observatório das Migrações, Número Temático Planos de Integração para Migrantes, dezembro 2016, n.º 13, Lisboa: ACM, pp. 11-31.

OLIVEIRA, C. R. (coord.), e GOMES, N. (2018), “Migrações e Saúde”, in Indicadores de Integração de Imigrantes. Relatório Estatístico Anual 2018, Coleção Imigração em Números do Observatório das Migrações, Lisboa: ACM, pp. 303-345.

OLIVEIRA, C. R. (coord.), e GOMES, N. (2017), “Cuidados e Determinantes da Saúde”, in Indicadores de Integração de Imigrantes. Relatório Estatístico Anual 2017, Coleção Imigração em Números do Observatório das Migrações, Lisboa, ACM, pp. 263-268.

OLIVEIRA, C. R. e FONSECA, V. (2013), “Highly skilled immigrants in Portugal: analysing policy developments and its impacts with a typology”, Revista Migrações do Observatório da Imigração, setembro, pp. 79-117.

PACE, P. (2010), “What can be done in EU Member States to better protect the health of migrants?”, in Eurohealth, volume 16, number 1, pp. 5-10.

PACE, P. e SHAPIRO, S. (2009), “Migration and the Right to Health in Europe”, Background Paper, Ministério da Saúde, Alto Comissariado da Saúde e OIM.

PADILLA, B. (2013), “Saúde dos imigrantes: multidimensionalidade, desigualdades e acessibilidade em Portugal”, in Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, 40, Brasília, pp. 49-68.

PADILLA, B. (2017), “Saúde e migrações: metodologias participativas como ferramentas de promoção da cidadania”, Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 21(61), pp. 273-284.

PADILLA, B. et al. (2009), “Good Practices on Health and Migration in the European Union”, in FERNANDES, A. e PEREIRA MIGUEL, J. (eds.) (2009), Health and Migration in the European Union: Better Health for All in na Inclusive Society, Lisboa: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, pp. 100-115.

PADILLA, B. et al. (2018), “Saúde dos imigrantes. Desigualdades e crise no SNS”, in Carmo, R. M. et al. (orgs.), Desigualdades sociais. Portugal e a Europa, pp. 315-334.

PADILLA, B., et al. (2013), “Cidadania e diversidade em saúde: necessidades e estratégias de promoção de equidade nos cuidados”, Saúde & Tecnologia, suplemento, pp. 57-64.

PADILLA, B., HERNÁNDEZ-PLAZA, S., e ORTIZ, A. (2012), “Avaliando as boas práticas em saúde e migrações em Portugal: teoria, prática e política”, Forum Sociológico, 2(22), pp. 33-41.

PADILLA, B.; PLAZA, S. H. e FREITAS, C. (2016), Health Strand. Country Report Portugal MIPEX, Bruxelas: IOM, MHD, RO.

PATRICK, C. H. (1980), “Health and migration of the elderly”, Research on Aging, 2(2), pp. 233-241.

PFARRWALLER, E., e SURIS, J. C. (2012), “Determinants of health in recently arrived young migrants and refugees: a review of the literature”, Italian Journal of Public Health, 9(3).

POTTIE, K., et al. (2011), “Evidence-based clinical guidelines for immigrants and refugees”, Canadian Medical Association Journal, 183(12), pp. E824-E925.

PRIEBE, S., et al. (2011), “Good practice in health care for migrants: views and experiences of care professionals in 16 European countries”, BMC Public Health, 11: 187.

QUESADA, J., HART, L. K., e BOURGOIS, P. (2011), “Structural vulnerability and health: Latino migrant laborers in the United States”, Medical Anthropology, 30(4), pp. 339-362.

RECHEL, B., et al. (2011), “The future of migrant health in Europe”, in Rechel, B. et al. (org.), Migration and Health in the European Union, European Observatory on Health Systems and Policies, pp. 245-250.

RECHEL, B., et al. (2013), “Migration and health in an increasingly diverse Europe”, The Lancet, 381(9873), pp. 1235-1245.

RECHEL, B., MLADOVSKY, P., e DEVILLÉ, W. (2011), “Monitoring the health of migrants”, in Rechel, B. et al. (org.), Migration and Health in the European Union, European Observatory on Health Systems and Policies, pp.81-98.

RECHEL, B., MLADOVSKY, P., e DEVILLÉ, W. (2012), “Monitoring migrant health in Europe: a narrative review of data collection practices”, Health Policy, 105(1), pp. 10-16.

REIS, L. (2018), “Internet, Migrações e Saúde: Perceções de Mulheres Brasileiras Migrantes e Não Migrantes”, em Actas do 12.º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde, ocorrido de 25 a 27 de janeiro de 2018 no ISPA. Lisboa: ISPA.

REIS, L., e RAMOS, N. (2013), “Migração e Saúde de Brasileiros Residentes em Lisboa”, Revista Ambivalências, 1(2), pp. 29-53.

REIS, L., e RAMOS, N. (2016), “Migração, aculturação e saúde bucal de brasileiras e brasileiros residentes em Lisboa, Portugal”, Revista Ciência Plural, 2(1), pp. 56-68.

REYES-URUENA, J. M. et al. (2014), "New times for migrants’ health in Europe”, in Rev. Esp. Sanid Penit, 16, pp. 48-58.

RIBEIRO, J. S. (2008a), “Gendering migration flows: physicians and nurses in Portugal”, Equal Opportunities International, 27(1), pp.77-87.

RIBEIRO, J. S. (2008b), “Migration and occupational integration: foreign health professionals in Portugal”, in Rethinking professional governance: International directions in health care. Bristol: The Policy Press, pp. 201-215.

RIBEIRO, J. S. (2013), “Migração de profissionais de saúde – Desperdício ou reconhecimento de qualificações?” in ARAÚJO, M. E., FONTES, M., e BENTO, S. (org.), Para um debate sobre Mobilidade e Fuga de Cérebros. Braga: Universidade do Minho, pp. 83-96.

RIBEIRO, J. S. (2015), “Beyond the Portuguese Nursing Labour Market: towards a crisis of professionalism?”, in CARVALHO, T. e SANTIAGO, R. (orgs.), Professionalism, Managerialism and Reform in Higher Education and the Health Services: The European Welfare State and the Rise of the Knowledge Society. Londres: Palgrave, pp. 146-168.

RIBEIRO, J. S., et al. (2014), “Health professionals moving to… and from Portugal”, Health Policy, 114(2), pp. 97-108.

ROMERO, M. C., e MASANET, E. (2015), “Contratación internacional de médicos/as latinoamericanos/as en Portugal y España”, Forum Sociológico, 2(27), pp. 53-60.

RUGGERI, K., et al. (2015), "Evidence on global medical travel", Bulletin of the World Health Organization, 93, pp. 785-789.

SCHEPPERS, E., et al. (2006), “Potential barriers to the use of health services among ethnic minorities: a review”, Family Practice, 23(3), pp. 325-348.

SHAW, S. J., et al. (2009), “The role of culture in health literacy and chronic disease screening and management”, Journal of Immigrant and Minority Health, 11(6), pp. 460-467.

SILVA, A. C., e MARTINGO, C. (2007), “Unidades de saúde amigas dos imigrantes: uma resposta ao desafio da multiculturalidade em Portugal”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 155-159.

 

Livros e teses

ANDRADE, I. M. (2008), Geografia da Saúde da População Imigrante na Área Metropolitana de Lisboa, Volume 21 da Coleção Teses do Observatório das Migrações. Lisboa: ACIDI.

BÄCKSTRÖM, B. (2009), Saúde e imigrantes: as representações e as práticas sobre a saúde e a doença na comunidade cabo-verdiana em Lisboa, Volume 24 da Coleção Teses do Observatório das Migrações. Lisboa: ACIDI.

BARROS, P. P. (2009), Economia da Saúde. Conceitos e Comportamentos, 2ª. Edição, Coimbra: Edições Almedina.

BARROS, P. P. (2013), Pela sua saúde, Ensaios da Fundação, Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.

BARROSO, A. M. (2018), Sexualidade num Portugal Multicultural: Estudo Transcultural entre Portugueses e Imigrantes. Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (dissertação de mestrado).

BERNARDINO, M. (2017), Gestão em saúde: organização interna dos serviços, Coimbra: Edições Almedina.

BJÖRNBERG, A. (2018), Euro Health Consumer Index 2017. Report, Health Consumer Powerhouse.

BORGES, M. F. (2019), Mobilidade e Comportamentos Sexuais de Imigrantes Originários da África Subsariana Residentes no Distrito de Lisboa. Lisboa: Instituto de Higiene e Medicina Tropical (dissertação de mestrado).

DIAS, C. M., et al. (2008), A Saúde dos Imigrantes. Inquérito Nacional de Saúde 2005-2006. Lisboa: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.

DIAS, S. (coord.) et al. (2018), Atitudes e representações face à saúde, doença e acesso aos cuidados de saúde nas populações imigrantes, Coleção de Estudos do Observatório das Migrações, vol. 62, Lisboa: ACM.

DIAS, S., e ROCHA, C. (2009), Saúde sexual e reprodutiva de mulheres imigrantes africanas e brasileiras, Volume 32 da Coleção Estudos do Observatório das Migrações. Lisboa: ACIDI.

DUBOIS, H. e MOLINUEVO, D. (2014), Access to healthcare in times of crisis, Eurofound, Luxemburgo: Publications Office of the European Union.

FERNANDES, A. e PEREIRA MIGUEL, J. (eds.) (2009), Health and Migration in the European Union: Better Health for All in na Inclusive Society, Lisboa: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.

FONSECA, L., e SILVA, S. (2010), Saúde e imigração: utentes e serviços na área de influência do Centro de Saúde da Graça, Volume 40 da Coleção Estudos do Observatório das Migrações. Lisboa: ACM.

FREITAS, C. (2006), Em busca de um bom médico. Quando ‘a saúde não tem fronteiras’. Percepções dos Cabo-verdianos sobre profissionais de saúde na Holanda, Coleção de Teses do Observatório da Imigração, vol. 6, Lisboa: ACIME.

HENRIQUES, A. (2010), Argumentos para uma viagem sem regresso. A imigração PALOP por via da saúde: estudo de caso, Volume 32 da Coleção Teses do Observatório das Migrações. Lisboa: ACIDI.

JAYAWEERA, H. (2011), Health of migrants in the UK: What do we know. Oxford: The Migration Observatory.

LOPES, L. C. (2007), Gravidez e Seropositividade em Mulheres Imigrantes na Região de Lisboa, Volume 11 da Coleção Teses do Observatório das Migrações. Lisboa: ACIDI.

MACHADO, M. C. et al. (2006), Iguais ou diferentes? Cuidados de Saúde materno-infantil a uma população de imigrantes, Laboratórios Bial.

MANUEL, H. I. B. (2017), Promoção da Saúde Sexual e Reprodutiva: Uma Intervenção de Enfermagem Comunitária com Jovens Descendentes de Imigrantes dos PALOP na Outurela/Portela. Lisboa: Escola Superior de Enfermagem de Lisboa (dissertação de mestrado).

MONIZ, A. M. F. (2018), Healthy Immigrant Effect em Portugal: Estudo sobre os Imigrantes Extra EU presentes no Inquérito Nacional de Saúde. Lisboa: Escola Nacional de Saúde Pública (dissertação de mestrado).

MONTEIRO, A. P. (2008), Migração e Saúde Mental. Vulnerabilidade ao stress, apoio social e saúde mental em imigrantes da Europa de Leste a residir em Portugal. Coimbra: Faculdade de Medicina Universidade de Coimbra (tese de doutoramento).

OLIVEIRA, C. R. (coord.) e GOMES, N. (2018), Migrações e Saúde em números: o caso português, Caderno Estatístico Temático # 2 da Coleção Imigração em Números do Observatório das Migrações. Lisboa: ACM.

OLIVEIRA, C. R. e PIRES, C. (2010), Imigração e sinistralidade laboral, Estudo 41 do Observatório da Imigração, Lisboa: ACIDI.

PACE, P. (2009), International Migration Law N.° 19 – Migration and the Right to Health: A Review of International Law. Genebra: OIM.

PEIXOTO, J. et al. (2017), Migrações e sustentabilidade demográfica. Perspetivas de evolução da sociedade e economia portuguesas, Estudos da Fundação, Lisboa: Fundação Manuel dos Santos.

PUSSETTI, C., et al. (2009), Migrantes e saúde mental. A construção da competência cultural, Volume 33 da Coleção Estudos do Observatório das Migrações. Lisboa: ACIDI.

RECHEL, B., et al. (eds.) (2011), Migration and Health in the European Union. Maidenhead: Open University Press.

REIS, L. (2013), Migração, Saúde e Qualidade de Vida : Brasileiros Residentes na Região de Lisboa. Lisboa: Universidade Aberta (tese de doutoramento).

SANTINHO, M. C. (2016), Refugiados e Requerentes de Asilo em Portugal: Contornos Políticos no Campo da Saúde, Volume 48 da Coleção Teses do Observatório das Migrações. Lisboa: ACM.

SCAGLIONE, M. A. O. (2016), A Saúde das Mulheres Imigrantes: Uma Questão de Cidadania e Inclusão. Lisboa: ISCTE (tese de doutoramento).

SILVA, D. G. M. C. (2017), Mandados de Condução à Urgência de Psiquiatria em Imigrantes. Lisboa: Escola Nacional de Saúde Pública (dissertação de mestrado).

SILVESTRE, T. (2010), A saúde dos imigrantes em Portugal: que necessidades em saúde? Que utilização dos cuidados de saúde?, Dissertação de Mestrado de Gestão em Saúde, Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa.

SIMÕES, J. A. et al. (2017), Portugal. Health system review, Health System in Transition, vol. 19, No. 2, European Observatory on Health Systems and Policies.

SOUSA, J. E. X. F. (2006), Os Imigrantes Ucranianos em Portugal e os Cuidados de Saúde, Volume 4 da Coleção Teses do Observatório das Migrações. Lisboa: ACIDI.

TCHUDA, S. (2013), Acordos de Cooperação no Domínio da Saúde entre Portugal e os PALOP: contributos do PADE, Dissertação de Mestrado ISCTE-IUL, Departamento de Economia Política.

TOPA, J. (2016), Cuidados de Saúde Materno-infantis a Imigrantes na Região do Grande Porto: Percursos, Discursos e Práticas, Volume 47 da Coleção Teses do Observatório das Migrações. Lisboa: ACM.

VIANA, V. C. (2010), Saúde mental, qualidade de vida e acesso aos cuidados de saúde na comunidade brasileira de Lisboa, Volume 31 da Coleção Teses do Observatório das Migrações. Lisboa: ACIDI.

 

Relatórios institucionais, nacionais e internacionais

ACSS-MS (2017), Boletim Informativo: Recursos Humanos Estrangeiros no Ministério da Saúde 2011-2016, Lisboa: Ministério da Saúde.

CAETANO, S., CORREIA, C., e SILVEIRA, E. (2013), Manual de Acolhimento no Acesso ao Sistema de Saúde de Cidadãos Estrangeiros. Lisboa: Ministério da Saúde.

CHAUVIN, P., PARIZOT, I., e SIMONNOT, N. (2009), Access to Healthcare for Undocumented Migrants in 11 European Countries. [Paris]: Médecins du monde.

COMISSÃO EUROPEIA (2018), The 2018 Ageing Report: Economic ad Budgetary Projections for EU Member States (2016-2070), Luxemburg: Publications Office of the European Union.

DGS (2016), A Saúde dos Portugueses 2016, Lisboa: Direção Geral da Saúde.

DGS-IHME (2018), Portugal: The Nation’s Health 1990-2016. An overview of the Global Burden of Disease Study 2016 Results, Direção-Geral da Saúde, Institute for Health Metrics and Evaluation, Seatle, WA: IHME.

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (2015), Acesso a Cuidados de Saúde por Imigrantes. Porto: Entidade Reguladora da Saúde.

ERS (2017), Análise do impacto da Diretiva dos Cuidados de Saúde Transfronteiriços, Lisboa: Entidade Reguladora da Saúde.

EUROPEAN WEB SITE ON INTEGRATION (2018, 2 de fevereiro), Migrant health across Europe: Little structural policies, many encouraging practices. Recuperado de https://ec.europa.eu/migrant-integration/feature/migrant-health-across-europe

JRS e FCG (2006), Programa de Apoio à Profissionalização de Médicos Imigrantes, Relatório de execução do Serviço Jesuíta aos Refugiados e da Fundação Calouste Gulbenkian.

JRS et al. (2008), Projeto de Equivalência de habilitações Académicas e Profissionais de Enfermeiros Imigrantes, Relatório Final de Atividades.

MS (2017), Relatório Anual. Acesso a Cuidados de Saúde nos Estabelecimentos do SNS e Entidades Convencionadas em 2016, Lisboa: Ministério da Saúde.

MS (2018), Retrato da Saúde 2018, Portugal: Ministério da Saúde.

OCDE (2017a), Health at a Glance 2017: OECD Indicators, Paris: OECD Publishing.

OCDE (2017b), Portugal: Perfil de Saúde do País 2017, Paris: OECD Publishing.

OIM (2009), Migration Health: Better Health for All in Europe, Brussels: International Organization for Migration.

OIM (2013), International Migration, Health and Human Rights, Genebra: IOM, WHO, UN.

OIM (2016a), Migration Health Annual Review 2015. Genebra: OIM.

OIM (2016b), Summary Report on the MIPEX Health Strand and Country Reports. Genebra: OIM.

OIM (2018), Migration Health Annual Review 2017. Genebra: OIM.

OMS (2008), Closing the gap in a generation. Health equity through action on social determinants of health, World Health Organization – Commission on Social Determinants of Health.

OMS (2010), Health of Migrants: The Way Forward. Report of a Global Consultation, Madrid, Spain, 3-5 March 2010. Genebra: WHO.

OMS (2014 [2013]), Review of Social Determinants and the Health Divide in the WHO European Region. Copenhaga: Escritório da OMS para a Europa.

OMS (2017), Beyond the Barriers. Framing Evidence on Health System Strengthening to Improve the Health of Migrants Experiencing Poverty and Social Exclusion. Genebra: OMS.

OPSS (2015), Relatório de Primavera do Observatório Português dos Sistemas de Saúde, Coimbra: OPSS.

SAKELLARIDES, C. et al. (2014), The impact of the financial crisis on the health system and health in Portugal, Case Study, Copenhagen: World Health Organization.

SCHULTZ, C., E RIJKS, B. (2014), Mobility of Health Professionals to, from and within the European Union. Genebra: OIM.

WILKINSON, R. e MARMOT, M. (eds.) (2003), Social Determinants of Health. The Solid Facts, 2ª edição, World Health Organization.