3. Bibliografia de referência sobre imigração e saúde

Imagem em Destaque
3. Bibliografia de referência sobre imigração e saúde

A bibliografia que se segue ilustra, sem pretensão de exaustividade, como o tema da imigração e saúde tem sido analisado internacionalmente e para o contexto português. Se conhecer outras referências relevantes, por favor não deixe de partilhá-las connosco através do email om@acm.gov.pt.

Artigos, capítulos de livros, comunicações e working papers

ALMEIDA, L., et al. (2013), ”Maternal healthcare in migrants: a systematic review”, Maternal and Child Health journal17(8), pp. 1346-1354.

ALUTTIS, C., BISHAW, T., e FRANK, M. W. (2014) “The workforce for health in a globalized context–global shortages and international migration”, Global Health Action7(1), 23611.

BAGANHA, M. I., RIBEIRO, J. S., e PIRES, S. (2002), “O Sector da Saúde em Portugal - Funcionamento do Sistema e Caracterização Sócio-Profissional”, Oficina do CES, 182.

BAGANHA, M. I., e RIBEIRO, J. S. (2007), “Imigração qualificada no sector da saúde – as oportunidades do mercado laboral português”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 53-78.

BELL, D., et al. (2015), "Transnational healthcare, cross-border perspectives", Social Science & Medicine, 124, pp. 284-289.

BERK, M. L., e SCHUR, C. L. (2001), “The effect of fear on access to care among undocumented Latino immigrants”, Journal of Immigrant Health, 3(3), pp. 151-156.

CASTAÑEDA, H., et al. (2015), “Immigration as a social determinant of health”, Annual Review Of Public Health, 36, pp. 375-392.

DAVIES, A. A., BASTEN, A., e FRATTINI, C. (2006), “Migration: a social determinant of the health of migrants”, OIM Background Paper.

DAVIES, A. A., BASTEN, A., e FRATTINI, C. (2009), “Migration: a social determinant of the health of migrants”, Eurohealth, 16(1), pp. 10-12.

DEVILLÉ, W., at al. (2011), “Health care for immigrants in Europe: is there still consensus among country experts about principles of good practice? A Delphi study”, BMC Public Health, 11: 699.

DIAS, S. F., SEVERO, M., e BARROS, H. (2008), “Determinants of health care utilization by immigrants in Portugal”, BMC Health Services Research, 8: 207.

DIAS, S., e GONÇALVES, A. (2007), “Migração e saúde”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 16-26.

DIAS, S., GAMA, A., CORTES, M., e SOUSA, B. (2011), “Healthcare‐seeking patterns among immigrants in Portugal”, Health & Social Care in the Community, 19(5), pp. 514-521.

FINCH, B. K., e VEGA, W. A. (2003), “Acculturation stress, social support, and self-rated health among Latinos in California”, Journal of Immigrant Health, 5(3), pp. 109-117.

FONSECA, M. L., et al. (2007), “Saúde e integração dos imigrantes em Portugal: uma perspectiva geográfica e política”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 27-52.

GOODRICH, J. N. (1993), “Socialist Cuba: A study of health tourism”, Journal of Travel Research, 32(1), pp. 36-41.

HANEFELD, J., et al. (2014), “What do we know about medical tourism? A review of the literature with discussion of its implications for the UK National Health Service as an example of a public health care system”, Journal of Travel Medicine, 21(6), pp. 410-417.

INGLEBY, D. (2012), “Ethnicity, migration and the ‘social determinants of health’ agenda”, Psychosocial Intervention21(3), pp. 331-341.

HORTA, R., e CARVALHO, A. (2007). “O Gabinete de Saúde do Centro Nacional de Apoio ao Imigrante: uma estratégia de acesso dos imigrantes aos cuidados de saúde”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 179-186.

LECHNER, E. (2007), “Imigração e saúde mental”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 79-101.

MACHADO, M. D. C., et al. (2007), “Cuidados de saúde materna e infantil a uma população de imigrantes”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 103-127.

MASANET, E. (2010), “La migración cualificada de los profesionales de la salud en Portugal y España: una aproximación general”, OBETS. Revista de Ciencias Sociales, 5(2), pp. 243-267.

MASANET, E. (2017), “Processes and experiences of Portugal’s international recruitment scheme of Colombian physicians: Did it work?”, Health Policy121(8), pp. 929-935.

MLADOVSKY, P. (2007), “Migrant health in the EU”, Eurohealth, 13(1), pp. 9-11.

MLADOVSKY, P., et al. (2012), “Responding to diversity: an exploratory study of migrant health policies in Europe”, Health Policy105(1), pp. 1-9.

NIELSEN, S. S., e KRASNIK, A. (2010), “Poorer self-perceived health among migrants and ethnic minorities versus the majority population in Europe: a systematic review”, International Journal of Public Health, 55(5), pp. 357-371.

NORMAN, P., BOYLE, P., e REES, P. (2005), “Selective migration, health and deprivation: a longitudinal analysis”, Social Science & Medicine, 60(12), pp. 2755-2771.

NORREDAM, M., NIELSEN, S. S., e KRASNIK, A. (2009), “Migrants’ utilization of somatic healthcare services in Europe – a systematic review”, European Journal of Public Health, 20(5), pp. 555-563.

OLIVEIRA, C. R. (coord.), e GOMES, N. (2017), “Cuidados e determinantes de Saúde”, in Indicadores de Integração de Imigrantes. Relatório Estatístico Anual 2017, Coleção Imigração em Números, Lisboa, ACM, pp. 263-268.

PADILLA, B., et al. (2013), “Cidadania e diversidade em saúde: necessidades e estratégias de promoção de equidade nos cuidados”, Saúde & Tecnologia, suplemento, pp. 57-64.

PATRICK, C. H. (1980), “Health and migration of the elderly”, Research on Aging2(2), pp. 233-241.

PFARRWALLER, E., e SURIS, J. C. (2012), “Determinants of health in recently arrived young migrants and refugees: a review of the literature”, Italian Journal of Public Health, 9(3).

POTTIE, K., et al. (2011), “Evidence-based clinical guidelines for immigrants and refugees”, Canadian Medical Association Journal, 183(12), pp. E824-E925.

PRIEBE, S., et al. (2011), “Good practice in health care for migrants: views and experiences of care professionals in 16 European countries”, BMC Public Health, 11:187.

QUESADA, J., HART, L. K., e BOURGOIS, P. (2011), “Structural vulnerability and health: Latino migrant laborers in the United States”, Medical Anthropology, 30(4), pp. 339-362.

RECHEL, B., MLADOVSKY, P., e DEVILLÉ, W. (2012), “Monitoring migrant health in Europe: a narrative review of data collection practices”, Health Policy, 105(1), pp. 10-16.

RECHEL, B., et al. (2013), “Migration and health in an increasingly diverse Europe”, The Lancet, 381(9873), pp. 1235-1245.

RIBEIRO, J. S. (2008a), “Gendering migration flows: physicians and nurses in Portugal”, Equal Opportunities International, 27(1), pp.77-87.

RIBEIRO, J. S. (2008b), “Migration and occupational integration: foreign health professionals in Portugal”, in Rethinking professional governance: International directions in health care. Bristol: The Policy Press, pp. 201-215.

RIBEIRO, J. S. (2013), “Migração de profissionais de saúde–Desperdício ou reconhecimento de qualificações?” in ARAÚJO, M. E., FONTES, M., e BENTO, S. (org.), Para um debate sobre Mobilidade e Fuga de Cérebros. Braga: Universidade do Minho, pp. 83-96.

RIBEIRO, J. S., et al. (2014), “Health professionals moving to and from Portugal”, Health Policy, 114(2), pp. 97-108.

RIBEIRO, J. S. (2015), “Beyond the Portuguese Nursing Labour Market: towards a crisis of professionalism?”, in CARVALHO, T. e SANTIAGO, R. (orgs.), Professionalism, Managerialism and Reform in Higher Education and the Health Services: The European Welfare State and the Rise of the Knowledge Society. Londres: Palgrave, pp. 146-168.

ROMERO, M. C., e MASANET, E. (2015), “Contratación internacional de médicos/as latinoamericanos/as en Portugal y España”, Forum Sociológico, 2(27), pp. 53-60.

SCHEPPERS, E., et al. (2006), “Potential barriers to the use of health services among ethnic minorities: a review”, Family Practice, 23(3), pp. 325-348.

SHAW, S. J., et al. (2009), “The role of culture in health literacy and chronic disease screening and management”, Journal of Immigrant and Minority Health, 11(6), pp. 460-467.

SILVA, A. C., e MARTINGO, C. (2007), “Unidades de saúde amigas dos imigrantes: uma resposta ao desafio da multiculturalidade em Portugal”, in DIAS, S. (org.), Migrações, Número Temático Imigração e Saúde, 1, pp. 155-159.

 

Livros, monografias, relatórios e teses

ANDRADE, I. M. (2008), Geografia da Saúde da População Imigrante na Área Metropolitana de Lisboa, Volume 21 da Coleção Teses do Observatório da Imigração. Lisboa: ACIDI.

BÄCKSTRÖM, B. (2009), Saúde e imigrantes: as representações e as práticas sobre a saúde e a doença na comunidade cabo-verdiana em Lisboa, Volume 24 da Coleção Teses do Observatório da Imigração. Lisboa: ACIDI.

CAETANO, S., CORREIA, C., e SILVEIRA, E. (2013), Manual de Acolhimento no Acesso ao Sistema de Saúde de Cidadãos Estrangeiros. Lisboa: Ministério da Saúde.

CHAUVIN, P., PARIZOT, I., e SIMONNOT, N. (2009), Access to Healthcare for Undocumented Migrants in 11 European Countries. [Paris]: Médecins du monde.

DIAS, C. M., et al. (2008), A Saúde dos Imigrantes. Inquérito Nacional de Saúde 2005-2006. Lisboa: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.

DIAS, S., e ROCHA, C. (2009), Saúde sexual e reprodutiva de mulheres imigrantes africanas e brasileiras, Volume 32 da Coleção Estudos do Observatório da Imigração. Lisboa: ACIDI.

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (2015), Acesso a Cuidados de Saúde por Imigrantes. Porto: Entidade Reguladora da Saúde.

FONSECA, L., e SILVA, S. (2010), Saúde e imigração: utentes e serviços na área de influência do Centro de Saúde da Graça, Volume 40 da Coleção Estudos do Observatório das Migrações. Lisboa: ACM.

HENRIQUES, A. (2010), Argumentos para uma viagem sem regresso. A imigração PALOP por via da saúde: estudo de caso, Volume 32 da Coleção Teses do Observatório da Imigração. Lisboa: ACIDI.

JAYAWEERA, H. (2011), Health of migrants in the UK: What do we know. Oxford: The Migration Observatory.

LOPES, L. C. (2007), Gravidez e Seropositividade em Mulheres Imigrantes na Região de Lisboa, Volume 11 da Coleção Teses do Observatório da Imigração. Lisboa: ACIDI.

OIM (2013), International Migration, Health and Human Rights, Genebra: IOM, WHO, UN.

OIM (2016), Summary Report on the MIPEX Health Strand and Country Reports. Genebra: OIM.

OIM (2016a), Migration Health Annual Review 2015. Genebra: OIM.

OIM (2016b), Summary Report on the MIPEX Health Strand and Country Reports. Genebra: OIM.

OMS (2014[2013]), Review of Social Determinants and the Health Divide in the WHO European Region. Copenhaga: Escritório da OMS para a Europa.

OMS (2017), Beyond the Barriers. Framing Evidence on Health System Strengthening to Improve the Health of Migrants Experiencing Poverty and Social Exclusion. Genebra: OMS.

PACE, P. (2009), International Migration Law N°19 - Migration and the Right to Health: A Review of International Law. Genebra: OIM.

PUSSETTI, C., et al. (2009), Migrantes e saúde mental. A construção da competência cultural, Volume 33 da Coleção Estudos do Observatório da Imigração. Lisboa: ACIDI.

RECHEL, B., et al. (eds.) (2011), Migration and Health in the European Union. Maidenhead: Open University Press.

SANTINHO, M. C. (2016), Refugiados e Requerentes de Asilo em Portugal: Contornos Políticos no Campo da Saúde, Volume 48 da Coleção Teses do Observatório das Migrações. Lisboa: ACM.

SCHULTZ, C., E RIJKS, B. (2014), Mobility of Health Professionals to, from and within the European Union. Genebra: OIM.

SOUSA, J. E. X. F. (2006), Os Imigrantes Ucranianos em Portugal e os Cuidados de Saúde, Volume 4 da Coleção Teses do Observatório das Migrações. Lisboa: ACIDI.

TOPA, J. (2016), Cuidados de Saúde Materno-infantis a Imigrantes na Região do Grande Porto: Percursos, Discursos e Práticas, Volume 47 da Coleção Teses do Observatório das Migrações. Lisboa: ACM.

VIANA, V. C. (2010), Saúde mental, qualidade de vida e acesso aos cuidados de saúde na comunidade brasileira de Lisboa, Volume 31 da Coleção Teses do Observatório das Migrações. Lisboa: ACIDI.