4. Referências bibliográficas, nacionais e internacionais, sobre refugiados

Imagem em Destaque
4. Referências bibliográficas, nacionais e internacionais, sobre refugiados

A bibliografia que se segue ilustra, sem pretensão de exaustividade, como os temas associados refugiados têm sido analisados. Se conhecer outras referências relevantes, por favor não deixe de partilhá-las connosco através do email om@acm.gov.pt.

 

Artigos, capítulos de livros, comunicações e working papers

ALPES, M. J., et al. (2017), Post-deportation risks under the EU-Turkey statement: what happens after readmission to Turkey? Policy Brief 2017/30, Migration Policy Center.

ALPES, M. J., TUNABOYLU, S., e VAN LIEMPT, I. (2017), Human rights violations by design: EU-Turkey statement prioritises returns from Greece over access to asylum. Policy Brief 2017/29, Migration Policy Centre.

AUGSBURGER, M., e ELBERT, T. (2017), “When do traumatic experiences alter risk-taking behavior? A machine learning analysis of reports from refugees”, PloS one, 12(5), e0177617.

BANSAK, K., HAINMUELLER, J., e HANGARTNER, D. (2017), “Europeans support a proportional allocation of asylum seekers”, Nature. Human Behaviour, 1(7), 0133.

BETTS, A. (2010), “The refugee regime complex”, Refugee Survey Quarterly, 29(1), pp. 12-37.

BETTS, A. (2010), “Towards a ‘soft law’ framework for the protection of vulnerable irregular migrants”, International Journal of Refugee Law, 22(2), pp. 209-236.

CELIKAKSOY, A., e WADENSJO, E. (2016), Mapping Experiences and Research about Unaccompanied Refugee Minors in Sweden and Other Countries. IZA Discussion Paper Seires No. 10143.

CONNOR, P. (2010), “Explaining the refugee gap: Economic outcomes of refugees versus other immigrants. Journal of Refugee Studies”, 23(3), pp. 377-397.

COSTA, P. M. e SOUSA, L. (2017), “’You are welcome in Portugal’: conviction and convenience in framing today’s Portuguese politics on European burden sharing of refugees”, Oxford Monitor of Forced Migration, 6(2), pp. 49-53.

COSTELLO, C., IOFFE, Y., e BÜCHSEL, T. (2017), Article 31 of the 1951 Convention Relating to the Status of Refugees. Genebra: ACNUR.

DEMPSTER, H., e HARGRAVE, K. (2017), Understanding public attitudes towards refugees and migrants, Working Paper 512. London: Overseas Development Institute.

DRYDEN-PETERSON, S. (2012), “The politics of higher education for refugees in a global movement for primary education”, Refuge: Canada's Journal on Refugees, 27(2), pp. 10-18.

ESSES, V. M., HAMILTON, L. K., e GAUCHER, D. (2017), “The global refugee crisis: empirical evidence and policy implications for improving public attitudes and facilitating refugee resettlement”, Social Issues and Policy Review, 11(1), pp. 78-123.

FERREIRA, S. (2016), “Orgulho e preconceito: A resposta europeia à crise de refugiados”, Relações Internacionais, 50, pp. 87-107.

FINOTELLI, C., e MICHALOWSKI, I. (2012), “The heuristic potential of models of citizenship and immigrant integration reviewed”, Journal of Immigrant & Refugee Studies, 10(3), pp. 231-240.

FORCED MIGRATION REVIEW (2016), Forced Migration Review, 51, January 2016.

FREEDMAN, J., e JAMAL, B. (2008), Violence à l’égard des femmes migrantes et réfugiées dans la région euro-méditerranéenne. Copenhaga: Réseau Euro-méditerranéen des Droits de l’Homme.

GEMENNE, F. (2015), “One good reason to speak of 'climate refugees'”, Forced Migration Review, 49, pp. 70-71.

GOODWIN-GILL, G. S. (2011), “The right to seek asylum: Interception at sea and the principle of non-refoulement”, International Journal of Refugee Law, 23(3), pp. 443-457.

HATTON, T. J. (2017), “Refugees and asylum seekers, the crisis in Europe and the future of policy”, Economic Policy, 32(91), pp. 447-496.

HEALY, C. (2017), “Are migrants and refugees a ‘vulnerable group’ in the context of human trafficking?”, artigo no site do International Centre for Migration Policy Development (ICMPD).

KANSTROOM, D. (2017), “The Right to Remain Here as an Evolving Component of Global Refugee Protection: Current Initiatives and Critical Questions”, Journal on Migration and Human Security, 5(3), pp. 614-644.

KATZ, B., NORING, L., e GARRELTS, N. (2016), Cities and Refugees: the German Experience. Washington: Brookings Institution.

KISSOON, P. (2010), “From persecution to destitution: A snapshot of asylum seekers’ housing and settlement experiences in Canada and the United Kingdom”, Journal of Immigrant & Refugee Studies, 8(1), pp. 4-31.

KUGELMANN, D. (2010), Refugees, in GROTE, R., LACHENMANN, F., e WOLFRUM, R. (eds.), The Max Planck Encyclopedia of Public International Law. Oxford: Oxford University Press.

LEVY, C. (2010), “Refugees, Europe, camps/state of exception: ‘into the zone’, the European Union and extraterritorial processing of migrants, refugees, and asylum-seekers (theories and practice)”. Refugee Survey Quarterly, 29(1), pp. 92-119.

MARCHI, R., e BRUNO, G. (2016), “A extrema-direita europeia perante a crise dos refugiados”, Relações Internacionais, 50, pp. 39-56.

MARTIN, I., et al. (2016), From Refugees to Workers: Mapping Labour Market Integration Support Measures for Asylum-Seekers and Refugees in EU Member States, Volume I: Comparative Analysis And Policy Findings. Gütersloh: Bertelsmann Stiftung.

MATOS, L., et al. (2018), “Meaning-Making and Psychological Adjustment Following Refugee Trauma”, in LEAL, I., et al. (orgs.), Actas do 12.º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde (pp. 613-521). Lisboa: ISPA – Instituto Universitário.

MAYADAS, N. S., e SEGAL, U. A. (2000), “Refugees in the 1990s: A US Perspective”, in BALGOPAL; P. R. (ed.), Social Work Practice with Immigrants and Refugees, Nova Iorque: Columbia, pp. 198-227.

MCADAM, J. (2011), “Swimming against the tide: why a climate change displacement treaty is not the answer”, International Journal of Refugee Law, 23(1), pp. 2-27.

MIGRATION POLICY PRACTICE (2017), Migration Policy Practice. A Bimonthly Journal for and by Policymakers Worldwide, Vol. VII, Number 2, april-september 2017.

MULVEY, G. (2010), “When policy creates politics: The problematizing of immigration and the consequences for refugee integration in the UK”, Journal of Refugee Studies, 23(4), pp. 437-462.

NOSÈ, M., et al. (2017), “Psychosocial interventions for post-traumatic stress disorder in refugees and asylum seekers resettled in high-income countries: Systematic review and meta-analysis”, PloS one, 12(2), e0171030.

OLIVEIRA, A. S. P. (2017), “Direito de Asilo”, in OTERO, P. e GONÇALVES, P. (coords.), Tratado de Direito Administrativo Especial, vol. VII. Coimbra: Almedina, pp. 5-129.

OLIVEIRA, A. S. P. (2017), “O direito dos refugiados na Constituição em 1976, 1996 e 2016”, in VAZ, M: A. (coord.), Jornadas dos Quarenta Anos da Constituição da República Portuguesa. Impacto e Evolução. Porto: Universidade Católica Editora.

OLIVEIRA, A. S. P. (2016) “Introdução ao Direito de Asilo”, in Centro de Estudos Judiciários, O Contencioso do Direito de Asilo e da Proteção Subsidiária, 2ª edição. Lisboa: Centro de Estudos Judiciários, p. 45-63.

OLIVEIRA, C. R., PEIXOTO, J., e GÓIS, P. (2017), "A nova crise dos refugiados na Europa: o modelo de repulsão-atração revisitado e os desafios para as políticas migratórias", in Revista Brasileira de Estudos de População, 34(1), pp. 73-98.

PADILLA, B., e GOLDBERG, A. (2017), "Dimensiones reales y simbólicas de la “crisis de refugiados “ en Europa: Un análisis crítico desde Portugal", Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, 25(51) pp. 11-27.

PIGUET, E., PÉCOUD, A., e DE GUCHTENEIRE, P. (2011), “Migration and climate change: An overview”, Refugee Survey Quarterly, 30(3), pp. 1-23.

PINHO, A. (2013), “A evolução das políticas de imigração e asilo em Portugal no contexto de uma Europa Comunitária”, População e Sociedade, 21, pp. 123-139.

POPA, C. E. (2016), “The Challenges of the Schengen Area”, Expert Journal of Economics, 4(3), pp. 96-104.

RICHMOND, A. H. (1988), “Sociological theories of international migration: the case of refugees”, Current Sociology, 36(2), pp. 7-25.

RICHMOND, A. H. (1993), “Reactive migration: sociological perspectives on refugee movements”, Journal of Refugee Studies, v. 6, n. 1, p. 7-24.

RODRIGUES, N. C. (2017), “Os novos muros da Europa”, Análise Europeia – Revista da Associação Portuguesa de Estudos Europeus, 2(3), pp. 198-207.

SANTINHO, C. (2009), “Labirintos do trauma: a verbalização do sofrimento nos refugiados em Portugal”, in PUSSETTI, C. e PEREIRA, L. S. (eds.), Os Saberes da Cura: Antropologia da Doença e Práticas Terapêuticas. Lisboa: Instituto Superior de Psicologia Aplicada, pp. 113-151.

SANTINHO, C. (2009), “Reconstruindo memórias: jovens refugiados em Portugal”, Saúde e Sociedade, 18, pp. 582-589.

SANTINHO, C. (2012), “A importância da competência cultural no atendimento de saúde a refugiados e requerentes de asilo”, Forum Sociológico, 2(22), pp. 73-81.

SANTINHO, C. (2013), “Afinal, que asilo é este que não nos protege?”, Etnográfica. Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia, 17(1), pp. 5-29.

SEGAL, U. A., e MAYADAS, N. S. (2005), “Assessment of issues facing immigrant and refugee families”, Child Welfare, 84(5), 563.

SOUSA, L., e COSTA, P. M. (2017), “Portugal's position on resettlement: a view from the periphery of the EU”, Forced Migration Review, 54, pp. 22-23.

SPIJKERBOER, T. (2017), “Gender, Sexuality, Asylum and European Human Rights”, Law and Critique, 1-19.

STORM, T., e ENGBERG, M. (2013), “The impact of immigration detention on the mental health of torture survivors is poorly documented - a systematic review”, Danish Medical Journal, 60(11), A4728-A4728.

STRANG, A., e AGER, A. (2010), “Refugee integration: Emerging trends and remaining agendas”, Journal of Refugee Studies, 23(4), pp. 589-607.

SULAIMAN-HILL, C. M., et al. (2011), “Changing images of refugees: A comparative analysis of Australian and New Zealand print media 1998- 2008”, Journal of Immigrant & Refugee Studies, 9(4), pp. 345-366.

SZCZEPANIK, M. (2016), “The'Good'and'Bad'Refugees? Imagined Refugeehood (s) in the Media Coverage of the Migration Crisis”, Journal of Identity and Migration Studies, 10(2), 23.

TRIANDAFYLLIDOU, A. (2017), “Beyond irregular migration governance: zooming in on migrants’ agency”, European Journal of Migration and Law, n. 9, p. 1-11.

VALENTIM, V., VIEIRA, I. e AUER, C. (2017), “Nota acerca do Seminário Internacional Como apoiar pessoas refugiadas: abordagens e iniciativas de trabalho voluntário na Europa, Lisboa, 9 de Junho de 2017”, Forum Sociológico, 31, pp. 87-90.

VIEIRA, I. (2018), “Environmental Migrations Without Environmental Migrants? Perceptions and Policies on Environmental and Mobility Issues”, in ALVES, F., FILHO, W. L., e AZEITEIRO, U., Theory and Practice of Climate Adaptation. Nova Iorque: Springer, pp 297-310.

YAZID, S., e NATANIA, A. L. (2017), “Women Refugees: An Imbalance of Protecting and Being Protected”, Journal of Human Security, 13(1), 34-42.

ZORLU, A. (2016), “Attitudes toward Asylum Seekers in Small Local Communities”, International Migration, 55(6), pp. 14-36.

 

Livros, monografias e relatórios

ACNUR (2016), ‘Refugees’ and ‘Migrants’ Frequently Asked Questions (FAQs). Genebra: ACNUR.

ACNUR (2016), Better Protecting Refugees in the EU and Globally, UNHCR's Proposals to Rebuild Trut through Better Management, Partnership and Solidarity. Genebra: ACNUR.

ACNUR (2016), “Regional Summaries – Europe”, in Global Report 2016. Genebra: ACNUR, pp. 88-99.

ACNUR (2017), Desperate Journeys: Refugees and migrants entering and crossing Europe via the Mediterranean and Western Balkans routes. Genebra: ACNUR.

ACNUR (2017), Global Trends: Forced Displacement in 2016. Genebra: ACNUR.

AGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS (2017), Fundamental Rights Report 2017. Viena: Agência dos Direitos Fundamentais.

ALBAHARI, M. (2015), Crimes of Peace: Mediterranean Migrations at the World's Deadliest Border. Filadélfia: University of Pennsylvania Press.

AMNISTIA INTERNACIONAL (2016), No Safe Refuge, Asylum-Seekers and Refugees Denied Effective Protection in Turkey. Londres: Amnistia International.

ATAÍDE, J., e BARATEIRO, A. C. (2012), Determinação da identidade de requerentes de protecção internacional em Portugal. Oeiras: SEF.

ATAÍDE, J., et al. (2009), Estatutos de Protecção Complementares à Legislação Comunitária de Imigração e Asilo em Portugal. Oeiras: SEF.

COMISSÃO EUROPEIA (2016), Humanitarian Protection. Improving Protection Outcomes to Reduce Risks for People in Humanitarian Crises. DG ECHO Thematic Policy Document n.° 8. Bruxelas: Comissão Europeia.

COMMISSÃO EUROPEIA (2018 [2016]) 10th European Forum on the Rights of the Child (2016). The Protection of Children in Migration, document de referência geral revisto a 5 de fevereiro de 2018. Bruxelas: DG JUST.

ECKSTEIN, S. E., e NAJAM, A. (eds.) (2013), How Immigrants Impact Their Homelands. Durham: Duke University Press.

EL-HINNAWI, E. (1985), Environmental Refugees. Nairobi: United Nations Environment Programme.

ELLIOTT, D., e SEGAL, U. A. (eds.) (2012), Refugees Worldwide. Volume One: A Global Perspective. Santa Barbara, Dever e Oxford: Praeger.

ELLIOTT, D., e SEGAL, U. A. (eds.) (2012), Refugees Worldwide, Volume Four: Law, Policy and Programs. Santa Barbara, Dever e Oxford: Praeger.

EUROPEAN COUNCIL ON REFUGEES AND EXILES (2017), The Detention of Asylum Seekers in Europe: Constructed on Shaky Ground? Bruxelas: European Council on Refugees and Exiles.

EUROPEAN COUNCIL ON REFUGEES AND EXILES (2016), Wrong Counts and Closing Doors: The Reception of Refugees and Asylum Seekers in Europe. Bruxelas: European Council on Refugees and Exiles.

FIDDIAN-QASMIYEH, E., et al. (eds.) (2014), The Oxford handbook of refugee and forced migration studies. Oxford: OUP.

GAMMELTOFT-HANSEN, T. (2011), Access to asylum: international refugee law and the globalization of migration control, Cambridge Studies in International and Comparative Law, Vol. 77. Cambridge: Cambridge University Press.

GATRELL, P. (2013), The making of the modern refugee. Oxford: OUP.

GREENHILL, K. M. (2010), Weapons of mass migration: forced displacement, coercion, and foreign policy. Ithaca, Nova Iorque: Cornell University Press.

GLOBAL DETENTION PROJECT (2017), Portugal Immigration Detention Profile. Genebra: Global Detention Project.

HAMPSHIRE, J. (2013), The politics of immigration: Contradictions of the liberal state. Cambridge: Polity.

HOME OFFICE (2017), Humanitarian Protection. Version 5.0. Londres: Home Office.

KI-MOON, B. (2016b), In Safety and Dignity: Addressing Large Movements of Refugees and Migrants: Report of the Secretary-General, A/70/59 (21 de abril de 2016).

LEGHTAS, I. (2017) “Hell On Earth”: Abuses Against Refugees and Migrants Trying to Reach Europe from Libya. Washington: Refugees International.

LOYD, J. M., MITCHELSON, M., e BURRIDGE, A. (eds.) (2013), Beyond walls and cages: Prisons, borders, and global crisis, Geographies of Justice and Social Transformation Series, Vol. 14. Athens: University of Georgia Press

MOUZOURAKIS, M., et al. (2015), Common Asylum System at a Turning Point: Refugees Caught in Europe's Solidarity Crisis. Asylum Information Database Annual Report 2014/2015. Bruxelas: European Council on Refugees and Exiles.

OECD (2018), Working Together for Local Integration of Migrants and Refugees, OECD Publishing, Paris, https://doi.org/10.1787/9789264085350-en.

PADILLA, B., AZEVEDO, J., e FRANÇA, T. (orgs.) (2018), Migrações Internacionais e Políticas Públicas Portuguesas. Lisboa: Mundo Sociais.

PROVERA, M. (2016), The EU-Turkey Deal. Analysis and Considerations. Jesuit Refugee Service Europe Policy Discussion Paper. Bruxelas: Jesuit Refugee Service Europe.

REDE EUROPEIA DAS MIGRAÇÕES (2017), 2016 Annual Report on Migration and Asylum. Bruxelas: Comissão Europeia.

SANTINHO, M. C. (2016), Refugiados e requerentes de asilo em Portugal: contornos políticos no campo da saúde, Volume 48 da Coleção Teses do Observatório das Migrações, Lisboa: ACM.

SEF (2008), Receção, Retorno e Integração de Menores Desacompanhados em Portugal. Barcarena: SEF.

SEGAL, U. A., e ELLIOTT, D. (eds.) (2012), Refugees Worldwide. Volume Two: Refugee Health. Santa Barbara, Dever e Oxford: Praeger.

SEGAL, U. A., e ELLIOTT, D. (eds.) (2012), Refugees Worldwide. Volume Three: Mental Health. Santa Barbara, Dever e Oxford: Praeger.

 

Teses

BARRETO, C. (2017), Representações de Estruturas de Acolhimento para Refugiados: o Centro de Paris-Nord no Telejornal Francês. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa (dissertação de mestrado).

BOLAS, M. T. (2012), Crianças e Jovens Refugiados em Portugal. Percursos de Integração. Lisboa: FCSH-UNL (dissertação de mestrado).

CARAPETO, A. (2017), Refugiados, Fronteiras e Imagens: Contributos a partir da Etnografia Visual. Lisboa: Universidade de Lisboa (dissertação de mestrado).

COELHO, J. (2016), Mulheres Refugiadas em Portugal. Lisboa: ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa (dissertação de mestrado).

COSTA, C. (2017), A Mediação Comunitária como Mecanismo de Inclusão de Refugiados. Lisboa: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (dissertação de mestrado).

COSTA, M. (2016), Problemas que Nínguém Quer, Arquitetura e Urbanismo na Solução da Problemática dos Refugiados. Lisboa: Universidade de Lisboa (dissertação de mestrado).

DOMINGOS, C. A. P. (2016), A Proteção Subsidiária na Nova Lei do Asilo - O Sentido e Alcance da Figura. Braga: Universidade do Minho (dissertação de mestrado).

GOMES, I. (2017), Cobertura da Crise de Refugiados Sírios na Era Digital - Público, The Guardian e The New York Times. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa (dissertação de mestrado).

HERMANN-JUNG, S. (2017), Relocation of Refugees – The Lisbon model. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa (dissertação de mestrado).

HORTA, A. (2012), Tão Perto do Silêncio: Memória, Performance e Exílio entre Refugiados e Requerentes de Asilo em Portugal. Lisboa: FCSH-UNL (dissertação de mestrado).

JARANOVIC, J. (2016), A Crise dos Refugiados e a Agenda Pós-2015: Procurar Soluções Locais para um Desafio Mundial. Lisboa: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (dissertação de mestrado).

LOPES, M. (2018), Refugiados Espanhóis em Portugal (1936-1938): O Caso de Elvas. Lisboa: Universidade de Lisboa (dissertação de mestrado).

MAGALHÃES, P. (2016), A União Europeia e a Segurança Humana - O Caso dos Refugiados Sírios. Braga: Universidade do Minho (dissertação de mestrado).

MATOS, T. C. (2011), A Inserção dos Refugiados Reinstalados no Mercado de Trabalho - Uma Etapa num Processo de Integração? Contributos para uma Análise das Dinâmicas de Integração dos Reinstalados em Portugal e na União Europeia. Lisboa: IGOT-UL (dissertação de mestrado).

MECA, M. (2014), A CEDH Enquanto Instrumento de Proteção Complementar do Direito Internacional dos Refugiados. Universidade Católica Portuguesa (dissertação de mestrado).

MENDES, C. (2017), Care, Not Detention - Understanding the Situation of Unaccompanied Minors in Europe - Challenges and Possibilities. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa (dissertação de mestrado).

NAJM, N. (2017), Mental Health of the Palestinian Refugee Communities in Lebanon: Strategy for the National Institute for Social Care and Vocational Training for 2018-2021. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa (dissertação de mestrado).

NEVES, M. (2016), Os Portugueses e o Acolhimento de Refugiados: Privação Relativa e Hostilidade Intergrupal. Lisboa: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (dissertação de mestrado).

JESUS, A. (2015), Intervenção social com crianças refugiadas: estratégias profissionais do Serviço Social com crianças refugiadas em Portugal. Coimbra: Instituto Superior Miguel Torga, (dissertação de mestrado).

RIBEIRO, M. (2017), Políticas de Acolhimento de Refugiados Recolocados em Portugal. Lisboa: ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa (dissertação de mestrado).

RIJO, D. (2017), A União Europeia face à Crise dos Migrantes e Refugiados: Um Ator Dividido sob Escrutínio. Braga: Universidade do Minho (dissertação de mestrado).

SANTOS, A. S. (2010) Ensino/aprendizagem do português a refugiados em contexto de acolhimento. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (dissertação de mestrado).

SANTOS, M. A. (2012), Experiências de Integração: Percursos de Integração de Refugiados na Área Metropolitana de Lisboa. Lisboa: ISCTE-IUL (dissertação de mestrado).

SANTOS, N. (2017), As Representações Sociais Acerca do Acolhimento de Refugiados em Portugal. Estudo de Caso dos Comentários às Notícias sobre a Chegada de Refugiados a Portugal nas Redes Sociais dos Media Portugueses. Lisboa: Universidade Aberta (dissertação de mestrado).

SILVA, A. A. (2012), Políticas públicas de assistência e protecção dos direitos humanos dos refugiados em Portugal e no Brasil. Lisboa: FCSH-UNL (dissertação de mestrado).

SILVA, C. (2014), Design para Assistência Humanitária. A situação dos Refugiados e as Deslocações Internas. Évora: Universidade de Évora (dissertação de mestrado).

SILVA, R. (2018), A Vivência Migratória de um Casal de Refugiados da Síria: Um Dupla Precariedade. Lisboa: ISPA-Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida (dissertação de mestrado).

SILVESTRE, F. (2012), Um olhar sobre a imprensa: representações sobre os requerentes de asilo e refugiados em Portugal. Lisboa: FCSH-UNL (dissertação de mestrado).

SOUSA, L. (1999), Percursos de Inserção de refugiados em Portugal: Sós ou Acompanhados?: Um Estudo sobre as Dificuldades de Inserção de Refugiados em Portugal. Lisboa: Universidade Aberta (dissertação de mestrado).

SOUZA, G. (2017), O Acolhimento de Refugiados / Recolocados em Portugal – Modos de Organização e Prática das Instituições. Porto: Universidade do Porto (dissertação de mestrado).

TOMÁS, D. (2012), De Objecto Humanitário a Cidadão: Subjectividade e Agência dos 'Refugiados' em Portugal. Lisboa: FCSH-UNL (dissertação de mestrado).

VIEIRA, P. (2017), Perceção dos Refugiados e Sensibilidade Intercultural em Alunos Finalistas do Ensino Secundário numa Escola Pública de Lisboa. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa (dissertação de mestrado).


Newsletter OM: Refugiados

Arquivo de Newsletters

 

Se pretende passar receber esta Newsletter OM envie-nos um e-mail para: om@acm.gov.pt


Newsletter OM junho 2018 refugiados..pdf

Newsletter OM junho 2018 refugiados..pdf (Версия 1.0)

Загружено пользователем Elisa Luis, 20.06.18 17:07
1 из 34
Комментарии
Пока нет комментариев. Будь первым.

Factsheets Compilation 2016-2017


Relatório EASO: Annual Report on the Situation of Asylum in the European Union (2017)


Colóquio Final: Multilevel governance of cultural diversity in a comparative perspective

21 июн 2018


O Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), através do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL) promove no dia 21 de junho de 2018, às 10:00, no Auditório Paquete de Oliveira (ISCTE), o Colóquio final do projeto GovDiv - Multilevel governance of cultural diversity in a comparative perspective: European Union and Latin America. O encontro conta, na sessão de abertura, com a intervenção da investigadora Beatriz Padilla, do CIES, que fará o balanço de um projeto internacional, prosseguindo com diversos painéis temáticos, com a participação de investigadores nacionais e internacionais, entre eles, um painel dedicado ao tema “Refúgio e género: uma aproximação à realidade da mulher em situação de refúgio em Portugal”, por Adriane Vieira, do ISCTE-IUL. O encontro integra o lançamento do livro “Migrações Internacionais e Políticas Públicas Portuguesas”, por Beatriz Padilla, Thais França e Joana Azevedo, do ISCTE-IUL, CIES. Mais informações disponíveis aqui.

Imagem em Destaque

3. Recolocação de refugiados em Portugal: a visão de uma Especialista da Fulbright

Imagem em Destaque
3. Recolocação de refugiados em Portugal: a visão de uma Especialista da Fulbright

 

The Fulbright Program

In 1945, United States (U.S.) Senator J. William Fulbright proposed a bill to use money from the sale of surplus war property to fund an international educational exchange.  President Harry S. Truman signed the bill into law, and the U.S. Congress created the Fulbright Program. The world’s largest international scholar exchange program, is subsidized through U.S. governmental appropriations and is based on Fulbright’s belief that if we learn from each other, there will be fewer wars.  This exchange is based on a bi-lateral agreement, and participating nations sign an agreement with the U.S. Government.

Within the Fulbright Program is the “Fulbright Specialist” program, through which countries in any discipline and any country may request a “specialist” from a Fulbright database provide consultative services for a short period of time.  In this instance, Dr. Catarina Oliveira, Director of the Observatory for Migration, on behalf of ACM, requested someone in the area of refugee studies; she was sent a short list of “specialist” in the data base, and she made a selection.  It is through this program that I was invited to Lisbon. During this time, I have met with the High Commissioner for Migration and the Director of the Observatory for Migration and spoken with several staff at the Special Unit for the Support of Refugees, had several one-on-one presentations of several services offered through ACM, visited refugee programs in Lisbon, Braga, and S. Joao da Madeira, attended the RefuJobs launch in June, and conducted two all-day training programs with ACM staff. Additional meetings are scheduled with ISS and DGE. Currently, a report is being prepared for presentation to ACM, based on observations and recommendations about “best practices” in working with refugees, from which I extract the following text. My participation in this program at ACM in Lisbon began on May 21st and ends on June 21st, 2018.

 

RESETTLEMENT OF REFUGEES IN PORTUGAL

The resettlement of refugees in Portugal has at least two significant benefits:  (1) It places Portugal on the world stage as a humanitarian player and participant in global social responsibility, and (2) with an aging population and a declining birthrate (CIA, 2017), it provides an effective and immediate solution to Portugal’s workforce needs. Thus, to increase its population size, strengthen its workforce, convey its humanitarian bent, and ensure the persistence of the society, Portugal will need to either, in the long-term increase its birthrate, or, in the short-term also participate further and more proactively in the resettlement of individuals from the increasing pool of refugees and those in refugee-like situations.

Ensuring a smooth and balanced integration of much needed newcomers will require the preparation and education of both migrants and the Portuguese population and may necessitate the allocation of additional public and new private resources for migrant integration. 

Despite perceptions that all movements of forced migration are to the developed world, data belie this.  Most people forced out of their homes move to countries closest to them. They rarely have, or leave with, the resources to move far.  Most move by foot either alone, with stealth, or in mass migrations.  Those who travel by boat to more distant lands may appear to be arriving in hordes, but they are proportionately few when compared to those who travel on foot and over land, to neighboring countries. Currently, 84% of all refugees live in developing countries. Germany is the only country in the Global North that received a significant number of the world’s refugees in 2015 and 2016, and, at eighth, it is near the bottom of the list.

Since 2015, Portugal has “relocated” a small number of refugees, primarily from Greece and Italy.  Portugal has also provided “humanitarian assistance” to refugees in the past two years. Unlike some countries in the EU that prefer not to accept any more refugees, particularly from Africa and the Middle East, the Portuguese government has agreed to take up to 10,000 people.  The European Commission, in its requirements for redistribution of entrants to EU countries, allocated specific numbers to individual EU Member States to share the burden of responsibility felt by a handful of Member States who have seen the entry of vast numbers of refugees since 2015.  Portugal with a legal requirement for 2,951, and a willingness to take up to 10,000 was expecting a large influx.  Until recently, most entrants into Portugal were voluntary migrants.

Under the European Commission’s relocation program, Portugal accepted 1,550 individuals, with 1,190 coming from Greece and another 360 from Italy.  Of these 517 are minors.  Syrians (833) composed the largest group, followed by Iraqis (338), and Eritreans (340).  One third of the entrants were female (ACM, 2017). They were found residences in 98 municipalities across the country, but more frequently along the northern and coastal areas.  Another 147 people were accepted and resettled from Turkey.

The nation has been surprised at the trickle that has arrived, and is particularly saddened that despite the enthusiasm and warmth with which refugees are welcomed, of those who have come, many indicated that Portugal was not their primary choice.  Several perceived it as a transit nation into the EU and more affluent and well-known countries such as Germany and Sweden. Of the approximately 1,600 that arrived from Greece and Italy, 42% relocated to other EU countries (Pelaez, 2017).

Such secondary migration is not unusual as refugees are not permitted to select where they are placed, and, like most migrants, they would prefer to choose residence based on perceived economic opportunities, family connections, social networks, and other personal factors. For example, in the U.S., that resettles more refugees than any other nation, secondary migration from one part of the country to another is commonplace despite loss of access to the resources and programs developed for them.  In each of the years of 2012 and 2013, about 70,000 refugees entered the U.S.  Within one year of arrival, when refugees can adjust their status to that of permanent resident, over 10,000 and 11,000, respectively, are known to have moved away from their initial resettlement area (Bloem & Loveridge, 2017).

In Portugal the relocation of refugees to areas either within Lisbon or to other areas around the country is managed by ACM’s Special Unit for the Integration of Refugees (NAIR), however, the process of integration is decentralized.  ACM’s “partner” in the receiving community, usually an NGO, has charge of housing, employment, and general integration, including providing access to health care and school enrollment for children.  The NGO mobilizes its own network of community services and resources, while ACM provides general oversight and guidance as needed. 

 

Strengths of Portuguese Resettlement

Policies of the Portuguese government clearly voice attitudes and sentiments that are welcoming and support the idea of immigrant integration.  The practitioners involved in the development and monitoring of the programs are passionate and highly committed to immigrant integration and have good working relationships with both public and nongovernmental organizations as well as with local communities around the country that implement the programs.

Once relocated, coordination and delivery of services for integration lie with ACM’s partner organization that has taken responsibility to settle the refugee in its community. Responsibility for connections between the “partner” organization and other resources in the local community lie with the partner, allowing a fair amount of autonomy within the constraints of policy and funding guidelines.  Collaborations with potential employers, local schools, faith institutions, private citizens, and volunteer organizations seem to be effective in establishing a grass-roots infrastructure for immigrant integration, and partners evidence substantial commitment to, and take pride in, immigrant well-being.

The specific integration programs identified above appear to be well thought through and developed, and each program appears to be functioning well with limited resources.  The staff is passionate and knowledgeable and committed to the success of its respective programs and projects.

The European Resettlement Network, coordinated by the IOM, the UNHCR, and the International Catholic Migration Commission (ICMC) identified some specific strengths of the program of integration in Portugal, namely: (1) NGO involvement in the planning and implementation of reception and integration services; (2) the provision of specialised support at the start of the integration programme in the reception centre; and (3) broad general support for resettlement, from both the political level and among the general public

 

Challenges to Resettlement Efforts

Challenges can always be expected with a new bent in governmental and social policies, and there are several universal challenges associated with most bureaucratic processes that can be unwieldy.  In my view, the current or potential challenges facing the refugee resettlement process in Portugal that may be addressed or precluded with preventative measures are:

Pre-departure preparation & post-arrival orientation: Refugees arriving through the relocation program appear to have little knowledge about the relocation program in Portugal or the Portuguese culture and are ill prepared for the limits of the support they can expect to receive. Barring the excellent “Welcome” packet they receive, the post-arrival orientation may be insufficient.

Coordination of specifics regarding migrant policies among relevant ministries: Front line service providers indicate that guidelines and implementation of several integration policies overlap between governmental ministries, nevertheless, inconsistencies regarding specific requirements and implementation processes pose significant hurdles. Delays in recognizing eligibility interferes with accessing resources and beginning employment.

Engaging frontline practitioners in policy decisions: Ensuring that all stakeholders are represented in policy decisions helps ensure that needs are addressed and the appropriate infrastructure is in place for integration. All programs require both a “top-down” and a “bottom-up” approach. Service providers indicate the lack of responsiveness by decision makers to their observations on program gaps and inconsistencies and recommendations for modification. 

Refugee recognition of their responsibility for integration: There are no consequences to noncompliance with integration expectations, such as participating in language classes or seeking employment. Several recent arrivals have evidenced an attitude of entitlement without a tandem obligation to participate in the processes of integration. The result can be local community backlash, as in other EU countries and as was evidenced by BREXIT.

Lack of mental health services: Given knowledge about the extent of refugee trauma, the absence of any mental health assessment or intervention for refugees is one glaring gap in the integration process. Refugees frequently suffer from Post Traumatic Stress Disorder (PTSD) and mental health issues, but symptoms may not emerge immediately.

Economic integration: Preparation of the labor market and potential employers for hiring refugees may need further development. This includes mechanisms for academic degree and credential transfer, recognition of skills, and preparation of workshops for refugees. While the “decentralized” approach of distributing refugees around the country eases the burden for service providers, the absence of a “core” of service recipients makes training programs inefficient.

Resettlement around the country: The distribution of refugees around the country may be practical from Portugal´s perspective and also minimizes the development of an immigrant nucleus that can result in negative host country reaction.  However, it comes with a number of challenges: Inefficiency in service provision with duplication; lower economic integration, success, and mobility (Konle-Seidl & Bolits, 2016); more welfare dependency than those who are not dispersed (Konle-Seidl & Bolits, 2016); and isolation from others of similar backgrounds.

Public attitudes and awareness: Results of studies in which respondents are anonymous indicate concern about the effects of outsiders with different cultures, an “inability” to fit in, and the usurping of local jobs (Chaparro, 2017, McGaley, 2016).

Over involvement of service providers: The number of refugees resettled in several of the municipalities, particularly those outside Lisbon, is small. Many service providers are extensively involved in the daily lives of refugee families, providing such assistance that the lines between the professional and personal appear blurred.  Refugee autonomy and provider professionalism can both be compromised.

The European Resettlement Network also identified some specific challenges Portugal faces in the successful implementation of the program of integration, namely: (1) Delays and challenges in the selection and transfer or resettled refugees resulting in late and concentrated arrivals over a short period of time; (2) The lack of an inclusive government-led coordination structure offering policy and operational guidance and involving all relevant stakeholders; and (3) Insufficient involvement of key stakeholders at central and local levels, such as by the Institute for Employment and Professional Training (IEFP) in the national programme and municipalities in reception and integration services.

 

Other Areas of Discussion

Duration of the integration program: The six months that the U.S. provides for housing assistance is much too short and increases refugee stress, while Portugal’s 18+ months assistance may give rise to dependence and complacency. Furthermore, although the EU currently provides support for relocated refugees, once Portugal moves into the refugee resettlement program, under the UNHCR mandate, and following the European Commission’s “50,000 Program,” it will be entirely responsible or the resettlement and integration costs of all refugees it admits.  It may not have the luxury of offering refugees 18-months to resettle or, with increasing refugee numbers, the ability to provide such close attention and personalized support.

Core principles for refugees’ integration: For Papadopoulou et al (2013:46) the core principles of integration (in a two way process) are: (1) Empowering refugees, fostering independence; (2) Enabling integration; (3) Enhancing partnerships, planning together; and (4) Strengthening receiving communities. To accomplish this, and recognizing that, without planning, refugees usually leave their homes with few tangible resources that can sustain them in the destination country.  It is recommended that the host country provide the following opportunities for refugee integration: (a) A dynamic labor market and low economic support; (b) Equal access to education and mechanisms for credential recognition; (c) Path to economic progress; (d) Increased opportunities for cultural exchange and fluency; (e) Opportunities for civic engagement; (f) Access to citizenship, home ownership, and intermarriage; (g) Culturally competent mental health services.

Likewise, expectations of refugees must require that they (a) accept and absorb rules and regulations of receiving country, (b) respect and indicate responsibility to values of destination country; (c) learn the language and increase cultural fluency, (d) Integrate socially and Increase civic involvement, and (e) utilize available host country resources to enhance self-sufficiency.

Inspiring and good practices: Several EU Member States and the U.S. have identified a number of good practices as well as challenges in resettling refugees.  Both the context and specific situations are essential, and the receiving nation is able to manage the context. In preparation the receiving nation must have in place: (1) A coordinated infrastructure for the implementation of policies and laws to ensure quick access to legal status, rights, and resources; (2) Consultative and collaborative engagement of all stakeholders – public, nonprofit, and private; (3) A systematic integration program with appropriate supports for essential services, namely, housing, transportation, employment, health, education, and mental health; (4) A trained, culturally aware and competent workforce with an understanding of the uniqueness of the refugee experience; and (5) A welcoming and hospitable community.

In addition, refugees must be prepared to resettle, understanding not only their rights but also their commitments and having a realistic set of expectations about the resettlement country and the process.  It is the responsibility of the host country representatives and/or the screening individuals at the point of origin to apprise refugees of the realities of resettlement.

In each instance, objective measureable outcome goals should be identified to determine the success of efforts. While process measures may be necessary (i.e. the refugee attends two weekly language classes), what matters is outcome.  These outcome, as well as process, measures must be determined along with each program’s development, including in Portugal.

 

No âmbito do Dia Mundial do Refugiado, dia 20 de junho de 2018, o Alto Comissariado para as Migrações, ACM, I.P. promove a realização de uma sessão dedicada ao tema “Refugees Worlwide – Global Perspectives”, com Uma A. Segal, Professora da University of Missouri – St. Louis, dos Estados Unidos da América  e especialista da Fullbright. A sessão será antecedida pelo lançamento da App My CNAIM e do Fórum Migrante, num encontro a decorrer a partir das 10:00, no Átrio da Casa do Futuro do Museu das Comunicações, em Lisboa, com a participação da Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, na sessão de abertura.

 

 

 


6. Oportunidades para investigadores #29

Imagem em Destaque
6. Oportunidades para investigadores #29

Candidaturas “ Edição de Teses de Mestrado e Doutoramento (Coleção Teses OM)”: No âmbito da edição de Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento da coleção TESES do OM, encontra-se disponível online o edital em vigor para 2018. As obras candidatas deverão enquadrar-se entre várias áreas temáticas prioritárias, constando no edital deste ano o tema Refugiados. Mais informações disponíveis aqui. 

 

Chamada para artigos: “Global Compacts on Refugees and on Migration: Special Issue of International Migration”: No âmbito dos “Global Compacts on Refugees and on Migration”, das Nações Unidas, está aberto, até ao dia 30 de junho de 2018, o período para submissão de artigos para um número especial dedicado à avaliação académica do processo e dos resultados de ambos os Pactos. Este número especial que tem como co-editores, Elizabeth Ferris e Susan Martin, pretende reunir artigos que aprofundem uma ou mais questões dentro de cada Pacto, ou que comparem o tratamento de um ou mais problemas nos dois Pactos. São igualmente aguardados artigos sobre as lacunas entre os dois Pactos, bem como a análise dos próximos passos para a implementação dos mesmos.
Entre os temas a abordar nesta edição especial encontram-se os seguintes:

  • Historical antecedents to the global compacts, including the role of the High Level Dialogues, Global Forum on Migration and Development (GFMD), High Level Plenary Meeting on Addressingd Large Movements of Refugees and Migrants, and other global consultative mechanisms had in paving the way for the global compacts;
  • Role of regional consultative processes in the lead up, negotiations and implementation of one or both global compacts;
  • Role of civil society, private sector and other key stakeholders in the negotiations and implementation of one or both global compacts;
  • Assessment of the ways in which vulnerability and resilience of migrants and refugees are addressed in one or both global compacts;
  • Assessment of the balance between rights of migrants and state interest in effective border control in the GCM;
  • Treatment of smuggling and/or trafficking in the global compacts;
  • Institutional architecture and other mechanisms put in place as follow-up mechanisms in one or both global compacts;
  • Implications of the global compacts (especially the GCM) for future norm setting and the development of international legal frameworks to enhance protection of migrants;
  • Extent to which the GCM breaks new ground in offering safe, orderly and regular pathways for migration;
  • Extent to which the GCM breaks new ground in enhancing the collection and use of migration statistics;
  • Extent to which either or both compacts break new ground in improving responses to mixed migration;
  • Responsibility-sharing for refugees in the GCR—will it make a difference in addressing the needs and interests of refugees or host communities?;
  • Protection of refugees—how is it articulated in the GCR; will the GCR enhance protection?;
  • Internally Displaced Persons – why they were excluded – what should be done?;
  • The GCR’s engagement of development actors with displaced populations—is it a game-changer?;
  • The GCM and the Sustainable Development Goals (SDGs)
  • Refugee resettlement and humanitarian admissions in the GCR;
  • Refugee Self-reliance: a 4th solution?;
  • Assessment of the treatment of detention in both compacts;
  • Assessment of the treatment of children in both compacts;
  • Assessment of the treatment of gender in both compacts; 
  • Assessment of the treatment of climate change and other forms of environmental migration and displacement in both compacts;
  • Regional case studies demonstrating relevance (or not) of GCR/GCM on the ground.

Os interessados deverão remeter um resumo com um máximo de 500 palavras, descrevendo o tema, a metodologia e as conclusões preliminares do artigo proposto, bem o respectivo CV (não superior a 4 páginas), dirigidos às coeditoras deste número especial, Elizabeth.Ferris@georgetown.edu e Susan.Martin.ISIM@georgetown.edu.  Mais informações disponíveis aqui.

 


Inscrições abertas: “Eurodiaconia and Red Cross Roundtable on Integration of Migrants”: No âmbito da Eurodiaconia and Red Cross Roundtable on Integration of Migrants” dedicada ao tema “Developing policies and programmes conducive to the social inclusion of migrants – What role for the EU?”, iniciativa conjunta do Eurodiaconia, do Red Cross EU Office e da Permanent  Representation of Austria, a ter lugar no dia 28 de junho, em Bruxelas (Red Cross EU Office (59-61 rue de Trèves), encontra-se aberto até ao dia 20 de junho de 2018, o  período de inscrições para o encontro. A mesa redonda, que surge na sequência do recente lançamento de publicações que reúnem exemplos das melhores práticas no campo da integração de migrantes, visa promover esse trabalho e iniciar uma reflexão aberta entre os representantes da sociedade civil e os decisores políticos sobre o desenvolvimento de políticas e programas da UE dedicados à inclusão social dos migrantes. Os participantes serão convidados a refletir sobre o tipo de políticas que aumentam a inclusão social dos migrantes em áreas como o acesso aos cuidados de saúde, habitação, integração no mercado de trabalho, educação e participação cívica, bem como sobre políticas que a UE possa apresentar a este respeito. Os desafios e oportunidades relacionados com a implementação do plano de ação sobre a integração de nacionais de países terceiros também serão considerados. Será ainda debatida a forma como o próximo Quadro Financeiro Plurianual (QFP) pode melhor apoiar o trabalho das partes interessadas, a nível local, e melhor responder às necessidades de integração dos migrantes na UE. Os interessados deverão inscrever-se aqui.

 


Chamada para artigos: Dossier temático “Migrações em países lusófonos” da Revista Cadernos de Estudos Sociais”: No âmbito do dossier temático “Migrações em países lusófonos” da revista Cadernos de Estudos Sociais encontra-se aberto até ao dia 2 de agosto de 2018, o período para submissão de artigos para a edição especial da Revista, a ser publicada no segundo número de 2018. Os artigos a submeter podem versar sobre migração interna ou internacional, contemporânea ou histórica, a partir de abordagem empírica, teórica ou metodológica. Espera-se a incorporação de problemáticas novas ou em renovação (e.g. refugiados no Brasil, nova imigração brasileira em Portugal, imigração altamente qualificada e de reformados (aposentados), migração de estudantes, migrações temporárias e de muito curta duração), assim como a atualização de aportes teórico-metodológicos e de fontes de dados. Os artigos devem, sobretudo, versar, sobre as migrações no Brasil e Portugal, podendo também abordar estudos sobre todos os países lusófonos. As informações referentes às normas e aos procedimentos de avaliação encontram-se disponíveis aqui.

 

Chamada para artigos: REMHU 54: "Migrações no Continente Africano" e REMHU 55: "Olhares psicossociais sobre migrações e refúgio": No âmbito do n. 54 da revista REMHU (Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana), a ser publicado em dezembro de 2018, com um dossier subordinado ao tema “Migrações no continente africano”, versando, entre outras temáticas, sobre as questões dos Deslocamentos africanos intracontinentais”, “A relação entre os deslocamentos intracontinentais e os processos de incorporação nas terras de chegada”, “As redes transnacionais” e asMigrações e desenvolvimento integral” encontra-se  aberto até ao dia 15 de agosto de 2018, o período para submissão de artigos científicos. Além do dossier temático, a revista REMHU inclui ainda uma Seção de Artigos referente a qualquer tema relacionado com as migrações nacionais e internacionais. Para o número 55 da Revista, a ser publicado em abril de 2019, com um dossier subordinado ao tema: “Olhares Psicossociais sobre Migrações e Refúgio”, o prazo de entrega de artigos decorrerá até ao dia 15 de janeiro de 2019. Os interessados deverão consultar as normas bibliográficas e demais informações, através do site da REMHU ou do site da Coleção SciELO, podendo solicitar mais informações através deste e-mail.

 

 

 

 


2. Enquadramento legal e institucional dos refugiados

Imagem em Destaque
2. Enquadramento legal e institucional dos refugiados

Enquadramento legal

Em termos de instrumentos internacionais há a destacar, antes de mais, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 10 de dezembro de 1948, que se tornou a matriz dos tratados e convenções internacionais em matéria de refugiados e requerentes de asilo ao estabelecer que “toda a pessoa sujeita a perseguição, tem o direito de procurar e de beneficiar de asilo em outros países” (ponto 1 do artigo 14.º). A Convenção Relativa ao Estatuto dos Refugiados, de 28 de julho 1951, veio estabelecer, entre outros direitos e deveres o já referido princípio de não repulsão. Por sua vez, o Protocolo Adicional à Convenção Relativa ao Estatuto dos Refugiados, de 31 de janeiro de 1967, veio remover a limitação que circunscrevia cronologicamente a aplicação da convenção aos refugiados resultantes da segunda guerra mundial. Ainda nesse ano, a Declaração das Nações Unidas sobre Asilo Territorial, de 14 de dezembro de 1967, decretou, em estrita observação prévia da Carta Universal dos Direitos Humanos, que a ninguém será recusada “a admissão na fronteira ou, se tiver entrado no território em que procura asilo, a expulsão ou devolução obrigatória a qualquer Estado onde possa ser objeto de perseguição”.

Ao nível do Conselho da Europa são de referir três instrumentos: o Acordo Europeu Relativo à Supressão de Vistos para os Refugiados, de 20 de abril de 1959, a Convenção Europeia sobre Funções Consulares e Protocolos Adicionais, de 11 de dezembro de 1967, e o Acordo Europeu sobre a Transferência de Responsabilidade Relativa a Refugiados, de 16 de outubro de 1980. No primeiro, as partes contratantes acordam, em regime de reciprocidade, não exigir vistos aos refugiados que residam numa delas, desde que sejam titulares de título de viagem emitido pelo país de residência habitual e não fiquem mais de três meses no outro país. No segundo, trata-se de assegurar aos refugiados acesso a uma proteção consular efetiva. No terceiro, estabelece-se o procedimento a seguir em caso de transferência da responsabilidade de emitir um título de viagem.

O sistema de asilo da União Europeia é ainda regulado por um conjunto de diretivas europeias que são conhecidas por Sistema de Dublin, o qual assenta na Convenção de Dublin e no Eurodac. A Convenção de Dublin (97/C 254/01) “constitui a regulação da UE para agilizar o processo de candidatura ao estatuto de refugiado nos Estados-membros, prevendo que a apresentação do pedido de asilo seja feita no próprio país em que o requerente entrou no espaço europeu, ficando sua circulação e proteção restritas a esse país” (Oliveira et al., 2017: 79). Esta convenção posteriormente foi substituída pelo Regulamento (CE) n.º 343/2003 do Conselho, de 18 de fevereiro de 2003, dito Regulamento de Dublin II, que estabeleceu critérios e mecanismos de determinação do Estado-membro responsável pela análise de um pedido de asilo apresentado num dos Estados-membros por um nacional de um país terceiro, sendo este por sua vez foi substituído pelo Regulamento (UE) n.º 604/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de junho de 2013, dito Regulamento de Dublin III, o qual procede a uma reformulação na qual é de destacar o clarificar dos procedimentos para apátridas. Por sua vez, o Regulamento (UE) n.° 603/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de junho de 2013, estabelece o sistema Eurodac de comparação de impressões digitais para efeitos da aplicação efetiva da Convenção de Dublin.

As iniciativas nacionais dos diversos Estados-membros, existindo à margem das diretivas europeias, são ditas estatutos de proteção não harmonizada. Um estudo promovido pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras para a Rede Europeia das Migrações (Ataíde et al., 2009: 3-5) destacava quatro desses estatutos na legislação portuguesa. Antes de mais, o estatuto de refugiado que permite que a concessão de asilo seja fundamentada na existência de perseguição ou ameaça de perseguição em consequência da sua atividade em favor da democracia, da libertação social e nacional, da paz entre os povos, da liberdade e dos direitos da pessoa humana (n.º 8 do art.º 33 da Constituição da República Portuguesa e n.º 1 do art.º 3 da Lei n.º 27/2008, de 30 de junho), indo desse modo além da então vigente Diretiva 2004/83/CE, do Conselho, de 29 de abril. O segundo estatuto não harmonizado apontado nesse estudo referia-se à proteção subsidiária por razões humanitárias, sendo esta atribuída a quem não fosse aplicável a concessão do direito de asilo, em razão da existência de sistemática violação de Direitos Humanos nos países de que são nacionais ou onde tinham residência habitual (n.º 1 do art.º 7 da Lei n.º 27/2008, de 30 de junho), alargando assim o âmbito das pessoas elegíveis para efeitos de proteção subsidiária, face ao regime previsto pela então vigente Diretiva 2004/83/CE, do Conselho, de 29 de abril. Contudo, a Lei n.º 26/2014, de 5 de maio, alterou este artigo, levando estas situações a confluir sob a figura geral da proteção subsidiária. Outro estatuto não harmonizado identificado então refere-se à concessão de autorizações de residência com dispensa de visto de residência em situações especiais (e.g., doentes, vítimas de exploração que tenham denunciado a situação, ou vitimas de tráfico de pessoas) ou ao abrigo do regime excecional por razões de índole humanitária (art.os 122 e 123 da Lei n.º 23/2007, de 4 de julho). Por fim, o estudo em questão refere o visto de estada temporária, emitido a favor de estrangeiros carecidos de tratamento hospitalar (art.º 54 da Lei n.º 23/2007, de 4 de julho) (Ataíde et al., 2009: 3-5).

A lei do asilo em Portugal conheceu sucessivas versões, sendo de mencionar a Lei n.º 38/80, de 1 de agosto, a Lei n.º 70/93, de 29 de setembro, e a Lei n.º 15/98, 26 de março, todas elas já revogadas. O diploma atualmente em vigor é a Lei n.º 27/2008, de 30 de junho, que estabelece as condições e procedimentos de concessão de asilo ou proteção subsidiária e os estatutos de requerente de asilo, de refugiado e de proteção subsidiária. Subsequentemente, esta veio a ser alterada pela Lei n.º 26/2014, de 5 de maio no sentido de transpor as mais recentes diretivas europeias. São elas: a Diretiva 2011/95/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 13 de dezembro; a Diretiva 2013/32/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de junho; e a Diretiva 2013/33/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de junho. À luz do enquadramento legal português, sempre que o estatuto de refugiado é concedido a um estrangeiro ou apátrida, o requerente é autorizado a permanecer em território nacional, conforme previsto na legislação internacional posteriormente incorporada na lei portuguesa. Os beneficiários do estatuto de refugiado e de proteção subsidiária estão sujeitos aos mesmos direitos e deveres dos estrangeiros residentes em Portugal, tendo de respeitar as obrigações previstas na Constituição da República Portuguesa (designadamente os artigos 15.º a 33.º, 41.º e 46.º) e da Lei n.º 27/2008, de 30 de junho.

Encontra-se também em vigor a Lei n.º 67/2003, de 23 de agosto, que transpõe na íntegra a Diretiva 2001/55/CE do Conselho, de 20 de julho de 2001, e diz respeito à concessão de proteção temporária no caso de afluxo massivo de pessoas deslocadas, bem como a medidas através das quais se procura assegurar uma repartição equilibrada do esforço assumido pelos Estados-membros ao acolherem estas pessoas e suportarem as consequências decorrentes desse acolhimento.

A Lei n.º 23/2007, de 4 de julho, que aprova o regime jurídico de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional, é um veículo do conteúdo normativo que corresponde à soberania nacional nesta área e, como tal, autónoma face ao disposto ao nível das diretivas comunitárias. Desde a sua publicação esta lei foi revista cinco vezes, sendo a quinta e mais recente efetivada pela Lei n.º 102/2017, de 28 de agosto, que republica aquele diploma com a redação atual e as necessárias correções materiais.

 

Enquadramento institucional

Ao nível internacional a agência de referência é o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), cujo estatuto foi definido pela ONU a 14 de dezembro de 1950, tem o mandato das Nações Unidas de conduzir e coordenar ações internacionais de proteção de refugiados, assegurando os seus direitos, e de procurar soluções duradouras para seus problemas. O ACNUR conduz a sua ação de acordo com a Convenção das Nações Unidas relativa ao Estatuto dos Refugiados de 1951 e seu Protocolo de 1967. O direito internacional dos refugiados constitui o quadro normativo essencial das atividades humanitárias do ACNUR.

Ao nível europeu funcionam ainda algumas instituições que importa enquadrar na vertente da política comum de asilo e na gestão dos fluxos de refugiados. Na Comissão Europeia, a Direção-Geral (DG) das Migrações e Assuntos Internos enquadra as regras ao nível da UE no que diz respeito a questões de fronteiras, como é o caso do asilo, migrações, controlo de fronteiras, crime organizado e terrorismo, e monitoriza a aplicação dessas regras ao nível comunitário. Esta DG é responsável pelo financiamento de projetos relacionados com estes domínios políticos nos Estados da UE.

A União Europeia dispõe ainda desde 2011 de uma agência de apoio ao asilo: o Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo (EASO). Criado pelo Regulamento (UE) n.º 439/2010 do Parlamento Europeu e do Conselho, o EASO procura reforçar a cooperação prática entre Estados-Membros neste domínio e ajudá-los a cumprir a “sua obrigação, a nível europeu e internacional, de conceder proteção às populações afetadas”. Esta agência procura aumentar a cooperação entre os Estados-membros em matéria de asilo, apoiando em particular os Estados-membros cujos sistemas de asilo e acolhimento estejam sujeitos a pressões excecionais, e melhorar a aplicação prática do Sistema Europeu Comum de Asilo (SECA).

Já fora do âmbito da União Europeia mas ainda na Europa, há a referir a Rede Europeia de Reinstalação que sob a coordenação do ACNUR, da Comissão Católica Internacional para as Migrações (ICMC), e da Organização Internacional para as Migrações (OIM) apoia a reinstalação de refugiados e outras vias legais de admissão colocando em contacto toda a variedade de atores envolvidos. A rede inclui entre os seus membros refugiados previamente reinstalados na Europa, os quais podem contribuir com a sua experiência singular e competências para o fomento e o desenvolvimento de programas e práticas nesta vertente. Os membros partilham um compromisso com a reinstalação de refugiados e a sua proteção, de modo a assegurar soluções duráveis e garantir o devido apoio na sua integração.

No contexto português a instituição de referência no enquadramento do asilo, refugiados e a proteção humanitária tem vindo a ser o SEF, “um serviço de segurança, organizado hierarquicamente na dependência do Ministro da Administração Interna, com autonomia administrativa e que, no quadro da política de segurança interna, tem por objetivos fundamentais controlar a circulação de pessoas nas fronteiras, a permanência e atividades de estrangeiros em território nacional, bem como estudar, promover, coordenar e executar as medidas e ações relacionadas com aquelas atividades e com os movimentos migratórios” (n.º 1 do artigo 1.º do Decreto-Lei n.º 252/2000). Ao nível das suas atribuições concretas na área do asilo, cabe-lhe “decidir sobre a aceitação da análise dos pedidos de asilo e proceder à instrução dos processos de concessão, de determinação do Estado responsável pela análise dos respetivos pedidos e da transferência dos candidatos entre os Estados membros da União Europeia” (alínea o) do n.º 1 do artigo 2.º). Esta atribuição tem tradução orgânica na existência de um Gabinete de Asilo e Refugiados ao qual compete: organizar e instruir os processos de asilo; organizar e instruir, nos termos da lei do asilo, os processos de concessão de autorização de residência por motivos humanitários; organizar e instruir os processos de determinação do estado responsável pela análise dos pedidos de asilo e emitir o respetivo salvo-conduto, se necessário; emitir parecer sobre os pedidos de reinstalação de refugiados; emitir parecer sobre os pedidos de concessão e prorrogação de documentos de viagem para refugiados, apresentados nos postos consulares portugueses; e emitir cartões de identidade e títulos de viagem para refugiados, bem como conceder as autorizações de residência previstas na lei de asilo e renovar ou prorrogar os referidos documentos (artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 252/2000).

Assume ainda relevo no panorama institucional português o Conselho Português para os Refugiados (CPR), uma organização não-governamental para o desenvolvimento sem fins lucrativos, criada em 1991 e parceira do ACNUR desde 1993. O seu objetivo principal é promover uma política de asilo mais humana a nível nacional. Na prossecução deste, mantém vários protocolos com o governo português que asseguram o desenvolvimento de ações necessárias nas áreas do acolhimento de requerentes de asilo e integração de refugiados, tais como, por exemplo, o funcionamento e manutenção do Centro de Acolhimento para Refugiados e o Centro para Crianças Refugiadas. É ainda de referir o papel de destaque que lhe é atribuído no sistema de asilo pela Lei n.º 27/2008, de 30 de junho, sobretudo antes da nova redação que foi dada a esta última pela Lei n.º 26/2014, de 5 de maio.

Atendendo à expressão do fluxo de refugiados e ao incremento do afluxo de pessoas deslocadas no contexto europeu, Portugal definiu em 2015 um grupo de trabalho – Grupo de Trabalho para a Agenda Europeia para as Migrações (Despacho n.º 10041-A/2015) – para proceder ao mapeamento dos recursos existentes no território nacional, por forma a instalar e integrar refugiados e indivíduos objeto de proteção internacional. Este grupo de trabalho, coordenado pelo SEF, contou com pontos focais de várias instituições públicas, nomeadamente o ACM, e representantes da sociedade civil organizados desde 2015 na Plataforma de Apoio aos Refugiados.

Assim, a partir de 2015 o Alto Comissariado para as Migrações (ACM) passou a assumir também competência no domínio da integração dos refugiados recolocados e reinstalados em Portugal. Neste âmbito criou em 2015 o Gabinete de Apoio à Integração de Refugiados que viria a tornar-se em 2017, por decisão do Conselho Diretivo do ACM, no Núcleo de Apoio à Integração de Refugiados (NAIR) (Deliberação n.º 82/2017, de 6 de fevereiro). Foram ainda introduzidas as responsabilidades do ACM neste domínio no enquadramento dos seus serviços e programas de acolhimento e integração de migrantes, nomeadamente na Rede Nacional de Apoio à Integração de Migrantes (RNAIM) (Portaria n.º 203/2016, de 25 de julho). Mais recentemente, as normas de execução do Orçamento do Estado para 2018 preveem, mediante protocolo a celebrar entre as duas entidades, a transferência do SEF para o ACM de responsabilidades relativas ao acolhimento de pessoas refugiadas no âmbito do programa de recolocação e de reinstalação de refugiados da Turquia no âmbito da Agenda Europeia das Migrações (artigo 119.º do Decreto-Lei n.º 33/2018, de 15 de maio).


X Congresso Português de Sociologia

10 июл 2018 - 12 июл 2018


No âmbito do X Congresso Português de Sociologia, subordinado ao tema “Na era da “Pós-Verdade”? Esfera Pública, Cidadania e Qualidade da Democracia no Portugal Contemporâneo”, iniciativa da Associação Portuguesa de Sociologia (APS), a ter lugar de 10 a 12 de julho de 2018, na Universidade da Beira Interior, encontra-se aberto até ao dia 25 de junho de 2018, o período de inscrições para o encontro. Do vasto programa do encontro destaque para o painel dedicado ao tema das “Migrações, Etnicidade e Racismo | Migrações Portugal – Brasil”, coordenado por Pedro Góis (Faculdade de Economia - Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra), José Carlos Laranjo Marques (Instituto Politécnico de Leiria – Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais - CICS.NOVA) e João Peixoto (Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) – Universidade de Lisboa). Este painel conta com a moderação de Beatriz Padilla e inclui as seguintes sessões: “Migrações num lugar turístico: 'gringos' europeus no Nordeste brasileiro”, “Novas vagas atlânticas e o transnacionalismo: capital migratório ou redes sociais”, “Tendências do fluxo migratório Brasil/Portugal: reflexões preliminares sobre a nova vaga migratória”, “ Migrações entre Brasil e União Europeia: composição e distribuição espacial dos fluxos” e “Identidade e estratégias identitárias utilizadas por jovens brasileiros imigrantes em Portugal”. Os interessados em participar no Congresso devem inscrever-se aqui, podendo solicitar mais informações através deste endereço.

Imagem em Destaque

1. Questões conceptuais na problemática dos refugiados

Imagem em Destaque
1. Questões conceptuais na problemática dos refugiados

A intensidade atingida pela crise recente dos refugiados na Europa, com perdas de milhares de vidas no Mar Mediterrâneo, tem-se comparado aos eventos vividos no continente europeu durante e imediatamente após a Segunda Guerra Mundial. Contudo, o movimento de refugiados e de pessoas em busca de proteção neste continente nunca desapareceu, tendo os fluxos de refugiados, com maior ou menor intensidade, permanecido como uma dimensão estrutural das migrações para (e na) Europa nas últimas sete décadas.

Ao longo destas décadas mudaram, porém, as abordagens, impactos e perceções desta realidade, devendo por isso refletir-se de que forma a atual crise das migrações tem induzo a uma crise de conceitos nas teorias das migrações (Oliveira, Peixoto e Góis, 2017).

Em crise está, desde logo, a diferenciação entre imigrantes económicos e refugiados. Esta distinção remete para o binómio sociológico clássico que opõe iniciativa (agency) a estrutura. Os imigrantes económicos seriam caraterizados pela iniciativa, tomando decisões por via das quais pretendem maximizar a utilidade da sua localização. Os refugiados, por seu turno, estariam à mercê de fatores estruturais e contingentes que determinariam os seus movimentos. Esta distinção clara é, contudo, também ingénua. É-o em particular porque conduz a que se espere encontrar na realidade social apenas instâncias puras de imigrante económico e de refugiado. Dito de outro modo: “os conceitos atuais falham por não atenderem à multiplicidade de realidades que existem no terreno” (Oliveira, Peixoto e Góis, 2017: 77). Em parte, esta insuficiência nasce de se estarem a confundir dois tipos de ferramentas. Por um lado, estas expressões podem designar tipos ideais, que têm uma função analítica mas não é expectável encontrar na sua forma pura. Por outro lado, estes termos podem também referir-se a esquemas de classificação administrativa e legal que atribuem determinados deveres e direitos a pessoas concretas.

Uma pesquisa empírica recente, conduzida entre 2013 e 2015, acerca da imigração irregular para a Europa (Triandafyllidou, 2017), realçou neste âmbito que os fluxos migratórios nunca são explicados apenas pelas motivações dos indivíduos (agentes) ou pelas políticas migratórias (condições estruturais), mas resultam antes da interação dos dois e da interferência de uma variedade de outros fatores explicativos associados à ação de atores intermediários envolvidos nos processos de migração (e.g., empregadores, traficantes, organizações da sociedade civil, autoridades de acolhimento, comunidades imigrantes). Como a autora também reconhece - perante a atual crise dos refugiados e das mortes trágicas no Mediterrâneo -, é necessário atender à preponderância explicativa que o indivíduo assume, enquanto agente com motivações e que aciona recursos e oportunidades que perceciona para garantir o alcance dos seus objetivos e expetativas de um futuro melhor. Neste âmbito, o equilíbrio entre agência (indivíduo) e estrutura (sociedade de origem e de destino) fica instável na decisão de migrar, perante a premência de fatores que impelem a fuga urgente à insegurança e pobreza (Oliveira, Peixoto e Góis, 2017).

Assim mesmo um termo ou categoria aparentemente clara pode induzir a dúvidas de classificação. A definição de refugiado é um bom exemplo destes processos. A convenção de 1951 considera que qualquer pessoa que receie “com razão ser perseguida em virtude da sua raça, religião, nacionalidade, filiação em certo grupo social ou das suas opiniões políticas, se encontre fora do país de que tem a nacionalidade e não possa ou, em virtude daquele receio, não queira pedir a proteção daquele país; ou que, se não tiver nacionalidade e estiver fora do país no qual tinha a sua residência habitual após aqueles acontecimentos, não possa ou, em virtude do dito receio, a ele não queira voltar” (artigo 1). O artigo 33 da convenção de 1951 salvaguarda ainda o princípio de não repulsão (non-refoulement), definindo este que “nenhum dos Estados Contratantes expulsará ou repelirá um refugiado, seja de que maneira for, para as fronteiras dos territórios onde a sua vida ou a sua liberdade sejam ameaçadas em virtude da sua raça, religião, nacionalidade, filiação em certo grupo social ou opiniões políticas” (artigo 33).

Ora, ainda que as limitações temporais que lhe haviam sido impostas no documento original tenham sido entretanto removidas pelo Protocolo Adicional à Convenção Relativa ao Estatuto dos Refugiados, de 31 de janeiro de 1967, para alguns esta classificação de refugiado é demasiado estática e datada. Tais autores prefeririam fazer a classificação evoluir de modo a poderem ser incluídas, por exemplo, as pessoas deslocadas em função das alterações climáticas e catástrofes ambientais (e.g., El-Hinnawi, 1985). Outros ainda advogam a inclusão da perseguição em função da orientação sexual como motivo, sendo esta já contemplada, em função de jurisprudência, em países como o Canadá (LaViolette, 1997).

Mesmo o próprio conceito de proteção humanitária, que é deliberadamente lato de modo a poder cobrir um leque de situações que extravasa o pedido de asilo e eventual concessão do estatuto de refugiado, tem sido objeto de críticas por ser demasiado aberto a interpretações e indefinido quando se trata de providenciar um referencial operacional explícito. Tal levou a que, no quadro institucional da União Europeia, fosse recentemente redefinido de modo a que se entenda que a proteção humanitária se dirige a situações de violência, coerção, miséria induzida e abuso de pessoas, grupos e comunidades no contexto de crises humanitárias (Comissão Europeia, 2016: 5-6). Surgem também, por vezes, mal-entendidos em torno deste conceito por via do facto de humanitary protection ser o termo utilizado no Reino Unido para referir a proteção subsidiária (Home Office, 2017: 8), que em termos europeus é uma variedade concreta de proteção humanitária. Neste âmbito foi definido o programa voluntário de admissão por motivos humanitários que decorre do acordo a que a UE e a Turquia chegaram a 18 de março de 2016: trata-se de “um processo acelerado através do qual os Estados participantes, com base numa recomendação do ACNUR na sequência de um pedido da Turquia, admitem pessoas com necessidade de proteção internacional, deslocadas devido ao conflito na Síria, e que tenham sido registadas pelas autoridades turcas antes de 29 de novembro de 2015, a fim de lhes conceder proteção subsidiária, tal como definida na Diretiva 2011/95/UE, ou um estatuto temporário ou equivalente, cujo prazo de vigência não pode ser inferior a um ano” (C[2015] 9490 final).

Mas os desafios conceptuais nesta área não se colocam apenas aos níveis epistemológico, científico ou ideológico, como bem têm demonstrando enquadramentos legais e institucionais (internacionais e nacionais) que vão sendo definidos em função da complexidade da realidade social, nomeadamente no contexto da União Europeia. A esse nível atenda-se à diferenciação adotada no contexto europeu para  os processos de reinstalação e de recolocação de refugiados, tal como definidos na Agenda Europeia da Migração (COM[2015] 240 final). A reinstalação (resettlement) consiste na transferência, a pedido do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), de refugiados em situações de vulnerabilidade e com necessidade de proteção internacional de um primeiro país de asilo fora da União Europeia para um Estado-membro que os aceite acolher. Por regra, é concedido a esses refugiados reinstalados um estatuto de residência de longa duração e, em inúmeros casos, a possibilidade de aceder à nacionalidade do Estado-membro que os acolhe. Neste âmbito a reinstalação é percecionada como uma solução duradoura e um instrumento de proteção de refugiados. Os Estados-Membros trabalham em estreita colaboração em muitos aspetos da reinstalação de refugiados, definindo prioridades comuns de reinstalação, desenvolvendo instrumentos de financiamento e colaborando de forma prática através de estruturas europeias como o Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo (EASO) e a Rede Europeia de Reinstalação. Funcionando esta última através de pontos focais nacionais de 14 Estados-membros, entre os quais está representado Portugal pelo Conselho Português para os Refugiados (CPR).

O processo de recolocação de refugiados refere-se, por sua vez, ao movimento de refugiados (já com estatuto definido pela Convenção de Genebra ou de beneficiários de proteção subsidiária, na aceção da Diretiva 2004/83/CE) de um Estado-membro da UE que lhes concedeu proteção internacional para outro Estado-membro que lhes concederá proteção similar. É um processo interno à União Europeia, no qual Estados-membros apoiam-se na distribuição da população refugiada atendendo a que alguns Estados-membros tendem a ter mais pressão nas suas fronteiras (Oliveira et al., 2017: 79-80). A recolocação traduz um processo de solidariedade interna e de partilha de encargos da UE, especialmente com os países de fronteira marítima ou terrestre da Europa que recebem mais refugiados (em particular da Grécia e de Itália).

Nos últimos anos surgiu ainda a noção de proteção temporária para retratar o procedimento de carácter excecional que assegura, no caso ou perante a iminência de um afluxo massivo de pessoas deslocadas de países terceiros, impossibilitadas de regressar ao seu país de origem. Define-se como uma proteção temporária imediata sobretudo se o sistema de asilo não puder responder ao afluxo sem provocar efeitos contrários ao seu correto funcionamento, surgindo por isso este mecanismo no interesse das pessoas em causa (Lei n.º 67/2003, de 23 de agosto, transpondo a Diretiva 2001/55/CE do Conselho, de 20 de julho de 2001).

Complementar à situação dos refugiados estão contemplados outros mecanismos de proteção internacional de salvaguarda de direitos humanos fundamentais de pessoas a quem falta proteção no seu país de origem. A proteção subsidiária corresponde a um estatuto conferido a um nacional de país terceiro à União Europeia ou apátrida que não possa ser considerado refugiado, mas em relação a quem se verificou existirem motivos significativos para acreditar que, caso volte para o seu país de origem ou, no caso de um apátrida, para o país em que tinha a sua residência habitual, corra um risco real de sofrer ofensa grave na aceção da Diretiva 2004/83/CE, do Conselho, de 29 de abril, e que não possa ou, em virtude dos referidos riscos, não queira pedir a proteção desse país (Oliveira et al., 2017: 79).


Global Compacts on Refugees and on Migration.pdf

Global Compacts on Refugees and on Migration.pdf (Версия 1.0)

Загружено пользователем Elisa Luis, 20.06.18 12:05
1 из 4
Комментарии
Пока нет комментариев. Будь первым.

5. Novidades bibliográficas sobre refugiados

Imagem em Destaque
5. Novidades bibliográficas sobre refugiados

Publicações da UE

A 18 de junho foi publicado o relatório anual relativo a 2017 do Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo (EASO). O comunicado de imprensa destaca uma queda de 44% no número de pedidos de proteção internacional face ao ano anterior. Este é o segundo ano consecutivo em que se regista uma diminuição. Contudo, o valor absoluto (728.470) permanece acima do registado antes do começo da chamada crise dos refugiados, em 2015. Em termos geográficos, a pressão migratória tem diminuído no Mediterrâneo oriental e central mas aumentado no ocidental. Quanto ao processamento dos pedidos, o número de casos pendentes diminuiu 16% e essas pendências tenderam a concentrar-se em instâncias superiores, ou seja, aumentou a proporção de processos em recurso e revisão.

 


A Comissão Europeia publicou também recentemente uma compilação das suas factsheets referentes à Agenda Europeia da Migração publicadas entre 2016 e 2017. Muitas destas dizem respeito à gestão da chamada crise dos refugiados e tratam temas em constante evolução, como são os casos dos processos de reinstalação (resettlement) e relocalização (relocation) ou a gestão do acordo com a Turquia.

 

Dissertações e Teses realizadas em Portugal


TESE OM 48: “Refugiados e Requerentes de Asilo em Portugal: Contornos Políticos no Campo da Saúde”, de Maria Cristina Santinho (ISBN 978-989-685-083-8): Esta dissertação foca-se na temática dos refugiados e requerentes de asilo em Portugal, tomando como ponto de partida as condicionantes políticas que regulam o seu acolhimento, permanência e mobilidade, na perspetiva específica da saúde. A partir de um trabalho de campo realizado em continuidade – tanto no Centro de Acolhimento de Refugiados (estrutura integrante do Centro Português para os Refugiados), como já fora dele, acompanhando os percursos de vida dos requerentes de asilo – a autora procurou demonstrar quais as principais contradições entre a Lei de Asilo e a realidade vivida por pessoas em sofrimento. Apesar do seu número irrisório, comparativamente à maioria dos países do Espaço Schengen, mas também em relação à população imigrante e à população portuguesa, os refugiados e requerentes de asilo estão longe de poder usufruir plenamente de um acesso à saúde física e mental adequada às necessidades específicas de pessoas eventualmente traumatizadas por situações de guerra, conflito e demais atentados aos direitos humanos. A invisibilidade no contexto da sociedade portuguesa, e por vezes o deficiente apoio das instituições que assumem a responsabilidade da sua integração, aliados a serviços de saúde também inadequados para as suas particularidades, remetem-nos para uma sequência de sofrimento que contribui para uma maior dificuldade de integração. Tese disponível aqui.

 

Dissertação de Mestrado: “Refugiados Espanhóis em Portugal (1936-38): O Caso de Elvas”, de Moisés Alexandre Antunes Lopes (2018): Uma das dissertações mais recentemente defendidas sobre a temática dos refugiados é de âmbito histórico e diz respeito ao afluxo de refugiados a Portugal em resultado da Guerra Civil Espanhola. A tese procurou compreender a décalage entre o discurso e a prática do Estado Novo a este respeito, ou seja, contrastar a política de fronteira afirmada e o que se efetivamente passava na zona raiana. Tal implicou não apenas estabelecer o que Salazar terá ordenado às autoridades portuguesas, mas também averiguar o acolhimento que a população terá dado aos refugiados. A dissertação encontra-se disponível aqui.

 


Dissertação da Mestrado: “A Vivência Migratória de um Casal de Refugiados da Síria: Uma Dupla Precariedade”, de Rita Margarida Freitas Santana da Silva (2018): Também já em 2018 foi defendida uma dissertação em psicologia clínica cujo objetivo foi aprofundar a compreensão do que é viver a experiência migratória destes refugiados. Para tal a autora lançou mão de uma metodologia qualitativa narrativa que permite aceder à experiência subjetiva dos participantes, neste caso um casal de palestinianos que viviam na Síria e que estão refugiados em Portugal há cerca de um ano. A dissertação encontra-se disponível aqui.

 

Dissertação de Mestrado: “O acolhimento e a inserção de refugiados em Portugal: procedimentos e práticas de intervenção”, Sabrina Carvalho (2017): Através da abordagem de vários casos do norte de Portugal, o trabalho analisa o modo como, “localmente, as estruturas institucionais de acolhimento disponibilizam as suas respostas. A autora conclui pela importância da aposta “em formações focadas nas migrações, refugiados, estratégias de intervenção, modelos de integração, multiculturalismo, entre outros, com vista ao desenvolvimento profissional dos técnicos” para que este e outros agentes “tenham o conhecimento adequado da diversidade cultural para que possam trabalhar de forma culturalmente recetiva e inclusiva”. A dissertação encontra-se disponível aqui.

 

Trabalho de Projeto: “A Mediação Comunitária como Mecanismo de Inclusão de Refugiados”, de Catarina Costa (2017): Em 2017 foi também concluído, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Serviço Social, um trabalho de projeto que – procedendo do global para o local através de pesquisa e análise documental, entrevistas a profissionais de instituições de acolhimento, e entrevistas a refugiados acolhidos, este trabalho – evidenciou “as vantagens e adequação da mediação comunitária e intercultural a este contexto, pelo seu carácter transformador e potenciador da criação e restauração de laços sociais”. O trabalho encontra-se disponível aqui.

 

Dissertação de Mestrado: “Políticas de acolhimento de refugiados recolocados em Portugal”, de Mário Ribeiro (2017): Esta análise conclui pela necessidade de políticas que facilitem o acesso à aprendizagem da língua, à validação de competências e acesso ao mercado de trabalho, tendo como objetivo uma integração efetiva no final do programa de acolhimento. Outro dos resultados deste trabalho aponta para a necessidade de melhorar a comunicação na administração pública, para que a informação existente nos serviços de atendimento ao público seja prestada de forma igual, independentemente do local de acolhimento e, para que não existam bloqueios na integração originados pelos serviços do Estado. Esta dissertação pode ser encontrada aqui.

 

Dissertação de Mestrado: “O Acolhimento de Refugiados / Recolocados em Portugal – Modos de Organização e Prática das Instituições”, de Glasielle Gonçalves Souza (2017): Esta dissertação procurou compreender as perspetivas institucionais sobre o tema, tanto ao nível político e como de intervenção concreta. Com vertentes quantitativa e qualitativa, a investigação permite concluir pela importância dos desafios ao nível da aprendizagem da língua e da comprovação dos níveis de escolaridade, que são problemáticos em si mas sobretudo reverberam em outras áreas da vivência. Esta dissertação pode ser encontrada aqui.

 

Dissertação de Mestrado: “Representações de Estruturas de Acolhimento para Refugiados: o Centro de Paris-Nord no Telejornal Francês”, de Cristiana Coelho Paes Barreto (2017): Este trabalho analisa as representações mediáticas da abertura, em Novembro de 2016, de um centro de acolhimento para refugiados no norte de Paris nos telejornais franceses, procurado apurar quais os principais mecanismos discursivos utilizados para formular as representações do Centro de Paris-Nord no mediascape francês. Esta dissertação pode ser encontrada aqui.

 

Dissertação de Mestrado: “A União Europeia face à Crise dos Migrantes e Refugiados: Um Ator Dividido sob Escrutínio”, de Diana Filipa Rodrigues Rijo (2017): Este trabalho analisa a forma como a UE tem respondido à chamada crise dos refugiados e migrantes desde a sua eclosão com a Primavera Árabe. Conclui que a UE se revela incapaz de falar a uma só voz na gestão da crise dos migrantes e dos refugiados, sendo esta apenas uma entre várias que suportam uma mais vasta crise identitária da União. Esta dissertação pode ser encontrada aqui.

 

Dissertação de Mestrado: “Mental Health of the Palestinian Refugee Communities in Lebanon: Strategy for the National Institute for Social Care and Vocational Training for 2018-2021”, de Nancy Najm (2017): Este trabalho representa o desenvolvimento de uma estratégia de saúde mental para a National Institution for Social Care and Vocational Training (NISCVT), que presta cuidados à comunidade de refugiados palestinianos no Líbano, e conduziu à identificação de cinco domínios de ação: (1) Liderança e Governança, (2) Reorientação e Ampliação de Serviços, (3) Prevenção e Promoção, (4) Informações, Evidências e Pesquisa e (5) Grupos Vulneráveis. Esta dissertação pode ser encontrada aqui.

 

Dissertação de Mestrado: “Care, Not Detention - Understanding the Situation of Unaccompanied Minors in Europe – Challenges and Possibilities”, de Catarina Tavarela Ferreira de Brito Mendes (2017): Este trabalho analisa as diferentes fases que levam e influenciam a detenção de menores não acompanhados – os processos à chegada, o procedimento de asilo e as garantias legais processuais e reflete sobre o ato de detenção de menores não acompanhados requerentes de asilo através da análise dos princípios de “último recurso” e “pela mínima duração possível”. Tudo isto para “clarificar a famosa, mas desconhecida, situação dos menores não acompanhados requerentes de asilo que chegam à Europa e as violações de direitos humanos de que são vítimas”. Esta dissertação pode ser encontrada aqui.

 

Dissertação de Mestrado: “Cobertura da Crise de Refugiados Sírios na Era Digital – Público, The Guardian e The New York Times”, de Inês Cereja (2017): Este trabalho analisa a cobertura da chamada crise de refugiados sírios nas edições online de três jornais – Público, The Guardian e The New York Times – entre 2013 e 2016. Procurou-se assim questionar criticamente o papel do jornalismo na representação desta crise e dos seus protagonistas, bem como o seu potencial cívico e político no contexto mais geral do tema dos refugiados. Esta dissertação pode ser encontrada aqui.

 

Dissertação de Mestrado: “Fronteiras e Imagens: Contributos a partir da Etnografia Visual”, de Mafalda Carapeto (2017): Este trabalho pretendeu, recorrendo à pesquisa etnográfica, identificar as principais caraterísticas da representação dos refugiados pelos meios de comunicação social e aferir da sua coincidência com a autorrepresentação dos refugiados e de outros que estiveram em alguns dos principais palcos da chamada crise de refugiados. Conclui que as práticas mais comuns dos media “potenciam a construção e a consolidação de discursos que promovem atitudes de exclusão, mesmo que estas em alguns casos estejam nas entrelinhas”. Esta dissertação pode ser encontrada aqui.

 

Dissertação da Mestrado: “Mulheres Refugiadas em Portugal”, de Joana Maria Botelho Lucas Coelho (2016): Este trabalho, baseado nas narrativas e experiências de sete mulheres que pediram asilo em Portugal, procura discernir de que modo as refugiadas vivem e se autorrepresentam no contexto da sociedade portuguesa. Conclui que os direitos consagrados na lei não correspondem às reais necessidades destas mulheres e que persistem fortes obstáculos à sua inserção e participação na sociedade portuguesa. Para colmatar estas lacunas, apresenta diversas sugestões de boas práticas que visam a melhoria das condições de vida destas mulheres em Portugal. Esta dissertação pode ser encontrada aqui.

 

 

 

 


The Migration Conference 2018

26 июн 2018 - 28 июн 2018

A Universidade de Lisboa promove de 26 a 28 de junho de 2018 The Migration Conference 2018 (TMC2018), constituindo a sexta edição da série de conferências lançadas, em 2012, pelo Regent’s Centre for Transnational Studies, em 2012 e 2014 (em Londres), em 2015 (em Praga), em 2016 (em Viena) e em 2017 (em Atenas). A conferência, coorganizada por Ibrahim Sirkeci (Universidade Regente), Jeffrey Cohen (Universidade Estadual de Ohio), Philip Martin (Universidade da Califórnia, Davis), Gudrun Biffl (Universidade do Danúbio, Krems), conta em Portugal com o ISEG, Universidade de Lisboa (João Peixoto) e o IGOT, Universidade de Lisboa (Maria Lucinda Fonseca), como entidades anfitriãs. O encontro pretende constituir um fórum de reflexão em torno de temáticas-chave da área das migrações, como a mobilidade humana, a economia, trabalho, o emprego, a integração, a insegurança, a diversidade e as minorias, bem como os padrões espaciais, culturais, artísticos, jurídicos e políticos, integrando cerca de 500 apresentações de participantes vindos de todo o mundo, da Austrália ao Canadá, da China ao México, do Chile à Rússia e da África do Sul à Finlândia.
O programa científico da conferência inclui debates, apresentações orais, apresentações de posters e workshops, contando entre os principais convidados, com a participação de Douglas S. Massey, da Princeton University (EUA), de Caroline Brettell, da Southern Methodist University (EUA), do Professor Barry Chiswick, da George Washington University (EUA), e de Philip L. Martin, Emeritus Professor, da University of California, Davis(EUA). Entre os oradores da conferência destaque para as participações internacionais de Joaquín Arango, da Universidade de Madrid, (Espanha), de Ruba Salih, da Universidade de Londres (Reino Unido), de Jeffrey H. Cohen, da Universidade de Ohio (EUA), de Michelle Leighton, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), de Genebra, de Philip L. Martin, da Universidade da Califórnia (Davis, EUA). Das participações portuguesas destaque para a intervenção do Alto-comissário para as Migrações, Pedro Calado, na sessão plenária dedicada ao tema “Migration Governance”, com o tema “Portugal’s approach to Integration”, bem como da Diretora do Observatório das Migrações (OM), Catarina Reis Oliveira, na sessão “Economics, Work and Migration”, com o tema “The determinants of immigrant entrepreneurial strategies”, além das participações de Ana Rita Gil, da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, e de Ana Rodrigues, da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), na Mesa-redonda “Current Challenges of both Portugal’s and the European Union’s Migration Policies” Mais informações sobre a conferência disponíveis aqui.

Imagem em Destaque

Debate: “Migrações, mobilidades e fronteiras”:

21 июн 2018


No âmbito do Ciclo Migrações, a ter lugar de 19 de junho a 4 de julho de 2018, decorre no dia 21 de junho, às 18:30, no Teatro Maria Matos, o debate dedicado ao tema “Migrações, mobilidades e fronteiras”, com as intervenções de Claire Rodier, Iolanda Évora e Mehdi Alioua. De acordo com a organização, o debate surge no contexto da migração e das diferentes condições de mobilidade a que estão sujeitos os cidadãos do mundo constituir um dos temas que têm pedido maior atenção política e ética nos últimos anos, perspetivando-se que tal continuará no futuro próximo. O debate propõe um “olhar crítico e informado sobre a experiência concreta de quem decide migrar, pondo lado a lado uma perspetiva sobre a realidade dos movimentos migratórios em África, e outra, que olhará para o que se passa em terreno europeu.” “Mehdi Alioua, sociólogo, professor de Ciências Politicas na Universidade Internacional de Rabat e ativista antirracista, trará um olhar sobre as realidades migratórias em território Africano, numa comunicação intitulada Exílio, memória e ligação social: captar a África em movimento, na qual abordará os diferentes regimes de mobilidade que se sobrepõem e proliferam em África, ligados à globalização e o reforço dos controlos migratórios pela União Europeia. A intervenção de Claire Rodier (França), Jurista, Diretora do GISTI, Grupo de Informação e de Suporte aos Imigrantes e cofundadora da rede euro-africana Migreurop, questionará a noção de “crise migratória” numa comunicação intitulada A europa está confrontada com uma “crise migratória” ? Perspetivas e implicações das políticas de imigração e de asilo na União Europeia. Seguir-se-á um debate com moderação ativa de Iolanda Évora, Psicóloga Social, investigadora em pós-doutoramento (PNPD/CAPES) no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, Brasil, investigadora associada do CEsA/ISEG e professora do mestrado em Cooperação em Desenvolvimento Internacional.”
Mais informações sobre o encontro disponíveis aqui.

Imagem em Destaque

Trabalho de Projeto “A Mediação Comunitária como Mecanismo de Inclusão de Refugiados”.png

Trabalho de Projeto “A Mediação Comunitária como Mecanismo de Inclusão de Refugiados”.png (Версия 1.0)

Загружено пользователем Elisa Luis, 20.06.18 10:43
Комментарии
Пока нет комментариев. Будь первым.

TESE OM 48.png

TESE OM 48.png (Версия 1.0)

Загружено пользователем Elisa Luis, 20.06.18 10:37
Комментарии
Пока нет комментариев. Будь первым.

Relatório anual relativo a 2017 do Gabinete Europeu de Apoio.png

Relatório anual relativo a 2017 do Gabinete Europeu de Apoio.png (Версия 1.0)

Загружено пользователем Elisa Luis, 20.06.18 10:37
Комментарии
Пока нет комментариев. Будь первым.

Factsheets Compilation 2016-2017.png

Factsheets Compilation 2016-2017.png (Версия 1.0)

Загружено пользователем Elisa Luis, 20.06.18 10:37
Комментарии
Пока нет комментариев. Будь первым.

Работает на Liferay