“Inclusion and Exclusion in Europe: Migration, Work and Employment Perspectives”


“Globalisation, Societies and Education”


“Trafficking along Migration Routes to Europe: Bridging the Gap between Migration, Asylum and Anti-Trafficking”


“Qualitative Research in European Migration Studies”


Livro: “Migrantes Forçad@s: conceitos e contextos”


Livro: “Lei de Migração: novo marco jurídico relativo ao fluxo transnacional de pessoas”


Revista REMHU: “Racismos”


Revista Ambivalências: “Dossiê “Migrações, Interculturalidades e Direitos Humanos”


Handbook: “The Routledge handbook of the governance of migration and diversity in cities”


Caderno Eletrônico de Ciências Sociais: Dossier “Mobilidades humanas, circularidade de ideias e identidades”


Reformados franceses chegam aos milhares por ano a Lisboa

Reformados franceses chegam aos milhares por ano a Lisboa

1 de agosto de 2018
Sábado

O número duplicou em dois anos. Desde 2012, cinco a sete mil cidadãos franceses estabelecem-se em Portugal todos os anos, com a grande maioria a serem reformados", afirma ao Le Monde Carlos Vinhas Pereira, presidente da CCIFP e fundador de uma agência imobiliária e de turismo português em Paris.
Para tal contribui a lei portuguesa do estatuto de residente não habitual (RNH), que desde 2013 permite a aposentados estrangeiros não pagar impostos sobre as suas pensões durante 10 anos. Mas não só isso que move os franceses a mudarem-se definitivamente para Portugal, conta o Le Monde: o sol, a qualidade de vida e o crescente poder de compra são outras das razões levantadas.


Italianos, franceses e britânicos entre os que mais contam na subida da imigração

Italianos, franceses e britânicos entre os que mais contam na subida da imigração

17 de outubro de 2018
DN

O número de estrangeiros a viver em Portugal aumentou, mas muito à conta dos cidadãos comunitários. Só a comunidade italiana registou uma subida de 51,7%.Os cidadãos italianos a viver em Portugal passaram de 8.523 (2016) para 12.927 (2017), mais 4.407. Entraram quase tantos franceses, 4.012 (de 11.293 para 15.319) e 3.047 cidadãos do Reino Unido (de 19.384 para 22.431).


Migração não trava queda da população

Migração não trava queda da população

16 de novembro de 2018
Destak

Migração não trava queda da população é a manchete do jornal Destak, de 16 de novembro. De acordo com a notícia, que se baseia nos dados do INE de 2017, divulgados no dia 15 de novembro de 2018, Mais pessoas entraram no país em 2017 do que as que saíram, mas não o suficiente para compensar a diferença acentuada entre óbitos e nascimentos. Segundo a mesma fonte, O ano passado chegou ao fim com 10.291.027 residentes em Portugal, menos 18.546 pessoas do que em 2016. Esta tendêndia de redução da população regista-se desde 2010, embora se tenha atenuado desde 2014. E isto porque o saldo migratório não compensa o crescimento natural negativo: mais mortes do que nascimentos. De acordo com os mesmo dados, A estatística mostra que entraram em Portugal 36.639 imigrantes permanentes (períodos superiores a um ano), uma subida de 22,4%, ao mesmo tempo que se verificou uma descida de 17% nas saídas de emigrantes permanentes, num total de 29.925. Acontece que mesmo esta evolução no saldo migratório é claramente insuficiente para compensar a diferença entre as mortes e os nascimentos.

 


Nova lei fez disparar pedidos de nacionalidade

Nova lei fez disparar pedidos de nacionalidade

14 de novembro de 2018
Público

De acordo com notícia avançada pelo jornal Público, de 14 de novembro de 2018, Os pedidos de nacionalidade dispararam com a nova lei. Existem actualmente pendentes 40 mil processos, revelou esta quarta-feira a secretária de Estado da Justiça, Anabela Pedroso, em audição no Parlamento a propósito do Orçamento do Estado da Justiça para 2019. Segundo o Governo, esse aumento de pedidos deve-se à alteração da lei que permite aos netos de portugueses pedir a nacionalidade. "Tem sido um intenso labor. A resposta ainda não é a adequada", disse Anabela Pedroso. No final de 2016, o número de pedidos já se situava na casa dos 30 mil
Sobre este tema do acesso à nacionalidade portuguesa, destaque-se o Caderno Estatístico Temático "Acesso à Nacionalidade Portuguesa 10 anos da Lei em Números", de Catarina Reis Oliveira (coord.), Natália Gomes e Tiago Santos, da Coleção Cadernos Estatísticos Temáticos, da Coleção Imigração em Números, do Observatório das Migrações.

 


Estatísticas Demográficas 2017


Portugal promove ferramentas online para o ensino da língua em feira de idiomas

Portugal promove ferramentas online para o ensino da língua em feira de idiomas

15 de outubro de 2018
DN/Lusa

Segundo notícia avançada pelo Diário de Notícias, de 15 de outubro de 2018, Portugal é um dos mais de trinta países representados na "Expolingua", Feira Internacional de Idiomas, que decorre entre sexta e sábado, em Berlim. Mostrar as plataformas online para o ensino do português à distância é um dos objetivos. "A Expolingua é o evento anual, por excelência, para todos os que têm interesse no ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras, viagens, culturas globais e oportunidades de estudo em todo o mundo", explica Rui Azevedo, acrescentando que no stand da língua portuguesa é promovida "a língua e as culturas que lhe servem de suporte." 
Sobre esta temática da aprendizagem da língua portuguesa, podem ser aprofundadas mais informações no Relatório Estatístico Anual "Indicadores de Integração de Imigrantes 2017", de Catarina Reis de Oliveira (coord.) e Natália Gomes, da Coleção Imigração em Números do Observatório das Migrações. Destaque-se ainda o trabalho dedicado pelo Observatório das Migrações (OM), no mês de setembro de 2018, mês em que se centrou no estudo da temática "da Imigração e Línguas", nomeadamente com a publicação do número temático da Newsletter OM "Imigração e Línguas", disponível aqui, e dos Destaques Estatísticos OM "Imigração e línguas", disponíveis aqui.

 


The politics of European Union migration governance

Autor:
Andrew Geddes

Publicação:
CMS Annual Review of the European Union in 2017, Vol. 56, S1, 2018

No artigo “The politics of European Union migration governance” publicado no volume 56, da JCMS Annual Review of the European Union in 2017, Andrew Geddes apresenta quatro dimensões da potencial mudança da gestão das migrações na União Europeia, identificadas e usadas para avaliação dos eventos em 2017. De acordo com o autor, em primeiro lugar pode haver mudança dos impulsionadores subjacentes à migração, em segundo lugar, deve ter-se em conta a mudança nas políticas da UE e nas práticas associadas, em terceiro lugar a mudança nos participantes para implicar um papel de maior relevo das instituições europeias, a difusão do interesse pela migração dentro das instituições da UE, o maior papel das agências da UE como a European Asylum Agency (EAS), a European Border and Coast Guard Agency (EBCG), e maior participação de organizações internacionais como a International Organization for Migration (IOM) ou o United Nations High Commissioner for Refugees (UNHCR), e em quarto lugar, a mudança na política de migração, incluindo quer as mobilizações políticas sobre migração, quer as atitudes públicas em relação à migração. O artigo encontra-se disponível aqui.


Candidaturas: Lecturer /Professor in “Refugees Studies”


Candidaturas Ghent Universit: "Lecturer /Professor in "Refugees Studies""


Candidaturas: "Lecturer /Professor in "Refugees Studies""


Работает на Liferay